Análises Deco Renováveis às prestações

Renováveis às prestações

Investir na eficiência energética da sua habitação implica um investimento generoso. Mas há linhas de crédito que podem ajudá-lo a encontrar a solução mais sustentável. Para o planeta e para o seu bolso.
Renováveis às prestações
Deco Proteste 31 de julho de 2018 às 14:43
O verão já chegou, mas continua a adiar a decisão de instalar um aparelho de ar condicionado por causa dos custos elevados? Eis uma informação refrescante: por ser um equipamento que utiliza energia proveniente de fontes renováveis, tem direito a linhas de financiamento específicas. A má notícia é que encontrámos apenas dois bancos com este tipo de solução - o Montepio e o Santander. A boa é que as lojas que vendem estes aparelhos também oferecem soluções de crédito, ainda que não exclusivas para renováveis. Enveredar por uma opção em detrimento da outra tem sobretudo que ver com uma questão que nada tem de acessório: prazo.

Devagar, devagarinho...

Quisemos saber quais as melhores opções para financiar um equipamento de 3.000 euros, a amortizar no prazo de 36 meses. De modo a beliscar o menos possível o orçamento familiar, os prazos mais longos são, normalmente, os mais apetecidos. De preferência, com taxas atrativas. E isso, no contexto do nosso cenário, só os bancos conseguem oferecer.

Entre as duas instituições bancárias que concedem crédito para compra de equipamentos que fazem o aproveitamento de energias renováveis - como aparelhos de ar condicionado, painéis solares fotovoltaicos, salamandras a pellets, entre outros -, o Montepio apresenta a oferta mais atrativa. Com um custo de entrada que representa 0,52% do montante financiado (até um máximo de 52 euros), este banco cobra uma TAEG de 4,4 por cento. No Santander, conte com 38,04 euros para a entrada, e com 2,91 euros de encargos mensais. A TAEG é de 6 por cento.

Para solicitar o financiamento junto destas entidades, tem de apresentar um orçamento ou um comprovativo das despesas de aquisição dos equipamentos, de modo a beneficiar das condições dos empréstimos específicos.

... ou quanto mais rápido, melhor?

Se puder amortizar o crédito num prazo curto, as opções de financiamento sem juros disponibilizadas pelas lojas, via cartão de crédito associado à marca ou crédito pessoal, devem, sem dúvida, ser consideradas. Neste departamento, Worten e MediaMarkt apresentam a TAEG mais competitiva: 1,9 por cento. Porém, o empréstimo tem de estar pago ao fim de três meses.

Na generalidade, os estabelecimentos que comercializam estes produtos só disponibilizam crédito a taxas inferiores às dos bancos até um máximo de 10 meses. Há excepções, é certo. Lojas como a BOX ou a Megaclima oferecem financiamento a 24 meses, sem juros, com TAEG abaixo dos 4 por cento. Mas isso só acontece em campanhas promocionais ou através de ofertas promovidas pelas marcas dos equipamentos.

Antes de entrar na loja, pondere

No que toca ao crédito disponibilizado pelas lojas, há uma recomendação a reter: exclua esta alternativa da equação para prazos mais longos. Além de, tal como os bancos, cobrarem juros (o que pode não acontecer nos prazos mais curtos), em alguns casos, as taxas mais do que triplicam as das instituições bancárias consideradas no nosso estudo. A ponto de o tradicional crédito pessoal ser, por vezes, uma alternativa mais em conta (veja as Escolhas Acertadas).

Mas há outros senãos: desde logo, o facto de as lojas poderem não comercializar o produto exato que procura. Além disso, ninguém lhe garante que um estabelecimento que ofereça crédito com taxas mais apelativas não venda produtos com preços mais altos, o que acabará por encarecer a compra.

É por isso que ambas as variáveis - preço do produto e custo do financiamento - devem ser sempre analisadas em conjunto.

No final, o que interessa é que a solução escolhida permita alcançar o sobe-e-desce perfeito: aumentar a eficiência energética da sua casa, diminuindo, ao mesmo tempo, a sua pegada ecológica e a fatura que recebe ao fim do mês.

Escolha acertada

Até 10 meses

Para um financiamento de 3.000 euros, as lojas da especialidade oferecem boas soluções de crédito sem juros. Mas apenas para prazos curtos.

 Worten - TAEG 1,9% 3 meses
 MediaMarkt - TAEG 1,9% 3 meses
 Leroy Merlin - TAEG 2,2% 6 meses
 AKI - TAEG 2,2% 10 meses
 Worten - TAEG 2,3% 10 meses
 Rádio Popular - TAEG 3,1% 10 meses

Escolha acertada

Mais de 10 meses

Há apenas dois bancos que comercializam produtos específicos para equipamentos de aproveitamento de energias renováveis, com prazos que começam nos 24 meses. Para um financiamento de 3.000 euros a 36 meses, as opções bancárias são a melhor solução.

 Montepio - TAEG 4,4% 36 meses
 Santander Totta - TAEG 6,0% 36 meses


Este artigo foi redigido ao abrigo do novo acordo ortográfico.