08:08
Euronext bolsa PSI
A bolsa nacional iniciou esta sessão em alta, a acompanhar a evolução das congéneres europeias. A contribuir para este comportamento está o sector da banca, que beneficia da compra de dívida por parte do BCE, e a Mota-Engil. Já a Portugal Telecom continua em queda, mas hoje inferior a 1%.
07:56
Abertura de mercados: Época de resultados e BCE continuam a condicionar bolsas
A compra de dívida por parte do BCE está a ajudar a animar os investidores, numa altura em que há alguma apreensão em relação à economia e em que já arrancou a época de resultados das cotadas. Esta quinta-feira serão várias as empresas a reportarem os seus números. Em Portugal, Portucel e Impresa dão o arranque.
07:00
CaixaBI reduz avaliação da Jerónimo Martins e prevê queda de lucros
A queda no preço dos produtos alimentares em Portugal e na Polónia está a pressionar os lucros da retalhista que apresenta os resultados trimestrais no dia 29 de Outubro. O CaixaBI reduziu a avaliação da empresa de 13,60 para 11,10 euros.
01:06
Carl Icahn diz que Europa Ocidental é um verdadeiro problema
O célebre investidor multimilionário Carl Icahn fala, à margem da Robin Hood Investors Conference, com Stephanie Ruhle, da Bloomberg TV, sobre a economia europeia.
01:01
Larry Fink: Correcção das bolsas "limpou" os excessos
O presidente executivo da BlackRock, Larry Fink, comenta o actual desempenho dos mercados accionistas norte-americanos e diz que a recente correcção retirou os excessos, que estavam a funcionar como ervas daninhas. Fink conversa com Erik Schatzker, da Bloomberg, na Robin Hood Investors Conference.
00:01
A PT SGPS bateu no fundo? Analistas dizem que não
Depois de quatro sessões de fortes perdas, cada título da empresa vale apenas um euro. Os analistas acreditam que a tendência negativa pode manter-se, pelo menos até que seja conhecido o interesse de novos investidores.
00:01
Depósitos de muito longo prazo voltam a ter bonificação no IRS
Os depósitos a prazo a cinco ou mais anos, com pagamento de juros no final, passam a ter taxas de retenção mais baixas. É uma forma de o Governo estimular a poupança de longo prazo, mas apanha os bancos desprevenidos.
00:01
Fidelity está mais optimista em relação à Europa
Dominic Rossi, director de investimento em acções mundiais da Fidelity, diz que o ajustamento cambial e as políticas monetárias mais acertadas" do BCE fazem antever uma melhor evolução da Europa.
00:01
Só 2,9% dos depósitos da banca têm prazos de mais de cinco anos
Tem aumentado a procura por depósitos com prazos mais longos, mas não de muito longo prazo. As aplicações até um ano continuam a dominar ao captarem 83% do montante total investido pelas famílias.
21 de Outubro, 22:23
S&P 500 regista maior subida do ano com estímulos do BCE
Os mercados accionistas do outro lado do Atlântico encerraram em terreno positivo, pela quarta sessão consecutiva, com os investidores a especularem que o Banco Central Europeu irá promover estímulos económicos.
21 de Outubro, 18:42
25.º - Fernando Ulrich 
BPI perdeu autonomia após recurso a capitais do Estado. Ulrich apressa no entanto fim dessa dívida.
O banco liderado por Fernando Ulrich anuncia os seus resultados na próxima sexta-feira, 24 de Outubro, após o fecho da bolsa.
21 de Outubro, 18:11
PT fecha a cair mais de 8% enquanto a Oi segue a deslizar acima de 4%
As acções da Portugal Telecom, depois de terem chegado a perder mais de 12% esta terça-feira, acabaram por atenuar a queda para os 8,15% no fecho da sessão. Os títulos da Oi, por sua vez, acentuam perdas e seguem a cair 4,27%.
21 de Outubro, 18:05
CMVM prolonga por mais dois dias proibição de venda a descoberto de acções da PT
O regulador do mercado decidiu prolongar por mais dois dias a proibição de apostas na queda das acções da Portugal Telecom. Assim, até dia 23 de Outubro, os investidores não poderão vender acções da empresa a descoberto.
21 de Outubro, 17:04
Fitch alerta que previsão de crescimento do Governo para 2014 é "optimista"
A Fitch está menos optimista que o Governo português. Quando decidiu manter o “rating” de Portugal em “lixo”, a agência antevia que o défice, em 2015, será de 3% do PIB. E perspectivava um crescimento do PIB este ano para 1% e 1,2% em 2015. Após a apresentação da proposta de Orçamento do Estado, as estimativas mantêm-se.
pub