Análise Técnica IMF – IBM tenta recuperação em alta

IMF – IBM tenta recuperação em alta

A IBM poderá ter encontrado um “fundo” ao “bear market” que vigora desde 2013. Eur/Usd atinge máximos de outubro de 2015, movimento de alta permanece enquanto acima dos $1.1190. Procura por ativos de refúgio beneficia ouro e iene. Petróleo atinge mínimos de maio de 2003.
IMF – IBM tenta recuperação em alta
A IBM segue num "bear market" desde meados de 2013, acumulando uma desvalorização de aproximadamente 50% até aos $117 registados a semana passada. As suas ações poderão contudo ter encontrado um "fundo" nesses níveis, que coincidem com um importante suporte de longo prazo, o que reforça a importância do ressalto e oferece o primeiro sinal de uma tentativa de recuperação em alta. Estas perspetivas seriam anuladas abaixo dos $117, cenário em que a IBM ficaria vulnerável a uma aproximação aos $100. Em todo o caso, e numa perspetiva de médio/longo prazo, o movimento principal de baixa apenas ficaria colocado em causa acima dos $150.



• Euro/Dólar – Movimento de alta permanece

A semana passada foi algo atípica para os mercados, com a queda generalizada das bolsas em todo o mundo, a debilidade geral nos yields das obrigações, a queda acentuada do petróleo e a fraqueza do dólar face à maioria das moedas. Esta turbulência global, sentida sobretudo na passada quinta-feira levou os investidores a procurar ativos de refúgio, como o iene e o ouro.

O Eur/Usd deu continuidade ao movimento de alta que se vem a formar desde o início de fevereiro, a pressão compradora foi notável, com o par a quebrar a resistência $1.1250 e a ser projetado para máximos de outubro 2015, nos $1.1375. Contudo, o movimento foi repentino e impulsivo, o que levou a uma ligeira correção na passada sexta-feira. Os $1.1390 são a resistência mais próxima, que se quebrada abriria caminho até junto dos $1.1490/$1.1650. Em baixa, apenas abaixo de $1.1190/$1.1060 se retomaria a tendência descendente.



• CRUDE – Volta a testar mínimos de 2003

O crude recuou pela segunda semana consecutiva, tendo registado novos mínimos de quase 13 anos, pressionado pela revisão em baixa das estimativas de consumo mundial e uma maior disponibilidade da matéria-prima.

Tecnicamente o crude voltou a testar o suporte dos $26, não tendo no entanto quebrado este nível. Abaixo deste valor os $25 assumem-se como uma importante barreira psicológica a ultrapassar. Numa tentativa de recuperação em alta o crude encontra a primeira resistência nos $29.40 e a quebra em alta dos $34 poderia abrir espaço para uma recuperação até aos $38.30.



• OURO – Procura por ativos de refúgio beneficia ouro

Os receios em torno do crescimento da economia global aumentaram o sentimento de aversão ao risco presente nos mercados, sendo que a saída de capitais do mercado acionista tem beneficiado a procura de ouro como ativo de refúgio.

Tecnicamente o ouro deu continuidade aos sinais de força no curto prazo. Depois de há duas semanas ter quebrado em alta o canal ascendente que vigorava desde o final de 2015, acelerou o ritmo de subida e na semana passada quebrou o nível psicológico nos $1200. A resistência mais próxima são neste momento os $1260, máximo da semana passada e níveis de fevereiro do ano passado. Poderá existir agora espaço para uma correção em baixa, com o primeiro suporte nos $1130, valor a partir do qual o ouro "arrancou" para esta recente valorização.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub