Bolsa BPI afunda para mínimos de dois anos (act.)

BPI afunda para mínimos de dois anos (act.)

As acções do BPI já chegaram a perder um quarto do seu valor durante a sessão. Os títulos negoceiam em mínimos de Janeiro de 2015.
BPI afunda para mínimos de dois anos (act.)
Miguel Baltazar
Sara Antunes 09 de fevereiro de 2017 às 08:10
As acções do BPI estão a afundar 15,24% para 0,89 euros, tendo chegado a deslizar 25,62% para 0,781 euros. Os títulos do BPI não quebravam a fasquia dos 0,80 euros desde Janeiro de 2015. Já na última sessão as acções tinham deslizado mais de 6%, o que, com a queda de hoje, eleva para 20,8% a descida em duas sessões. 

A queda de 25% é a mais pronunciada desde 1999, de acordo com a Bloomberg. 

Além da queda abrupta, as acções do BPI estão a observar um volume bastante acima da média. Às 12:00 já tinham trocado de mãos mais de 4,8 milhões de títulos, quando a média diária é de 663,8 mil acções.

Os dados da operação foram conhecidos ontem, tendo sido revelado que o BPI vai abandonar o PSI-20 já amanhã. A comissão gestora do índice PSI-20 decidiu que o BPI vai deixar a carteira do PSI-20, deixando o índice com apenas 17 cotadas até à próxima revisão, que vai acontecer na terceira segunda-feira de Março (dia 20).

 

Esta decisão surge depois de o CaixaBank ter conseguido ficar com 84,5% do BPI, numa operação em que pagou 1,134 euros por cada título. Ficam nas mãos de outros accionistas 15,49% do capital. Na aquisição das 568 milhões de acções, os catalães gastaram 644,5 milhões de euros.  

 

Após a operação, o banco passa a ter 7% do seu capital disperso em bolsa, o que compara com os 22,5% verificados antes desta operação.

O CaixaBank mantém a intenção de deixar o BPI cotado em bolsa, mas admite que vai monitorizar a situação. Na conferência de imprensa sobre a OPA, oferta em que os catalães investiram 644,5 milhões de euros para passar de 45,5% para 84,5% do BPI, o presidente do CaixaBank reafirmou a intenção de "manter o banco cotado". "Temos de ver a médio e longo prazo se a liquidez não for suficiente e se trouxer problemas... Teremos de estudar", declarou Gonzalo Gortázar.

Fernando Ulrich deixará de ser o presidente executivo do BPI, passando a ser o "chairman". À frente da gestão do banco passará a estar o espanhol Pablo Forero.


(Notícia actualizada, pela segunda vez, às 12:05 com informação mais recente)




A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 2 semanas

Já em 22 % uma infâmia e golpe do Caixabanke do serviçal Ulrich.A CMVM como sempre inútil

comentários mais recentes
João Azevedo Há 1 semana

Ó Johnny, então, que andas por aqui a fazer? Vai é tratar dos filhos.

investidor1 Há 2 semanas

https://goo.gl/forms/3f25LE6Qekr0VWo22

Obrigado.

Anónimo Há 2 semanas

O BPI aguenta, lá isso aguenta !!!

Johnny Há 2 semanas

áááááááááá-úúúúúúúúúúúúúú
Até os ouço a uivar aqui da janela...
Eu não, porque eu não invisto em trmpa criminosa e corrupta, eu investi sim no melhor projeto da minha vida.
INVESTI NOS MEUS FILHOS

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub