Bolsa BCP abaixo dos 80 cêntimos já perde mais de 23% desde aumento de capital

BCP abaixo dos 80 cêntimos já perde mais de 23% desde aumento de capital

Os títulos do banco liderado por Nuno Amado estão a afundar mais de 6% para negociar abaixo dos 80 cêntimos, na quinta sessão consecutiva de perdas.
BCP abaixo dos 80 cêntimos já perde mais de 23% desde aumento de capital
Bruno Simão/Negócios
Rita Faria 12 de Janeiro de 2017 às 08:16

É mais uma sessão de quedas para o BCP que segue a perder terreno esta quinta-feira, 12 de Janeiro, pela quinta sessão consecutiva.

 

Os títulos do banco liderado por Nuno Amado afundam 6,19% para 79,31 cêntimos - um novo mínimo histórico – elevando para mais de 23% a desvalorização acumulada desde o anúncio do aumento de capital, na segunda-feira.

 

No início desta semana, a instituição anunciou que vai realizar um aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros para reembolsar a última tranche da ajuda estatal (no valor de 700 milhões de euros) e para reforçar os rácios de solvabilidade. As novas acções serão vendidas a 9,4 cêntimos.

 

Desde então, os títulos têm afundado na bolsa de Lisboa, atingindo sucessivos mínimos históricos.

Nesta operação de aumento de capital, a Fosun, através da "holding" Chiado, vai investir um máximo de 531 milhões de euros para reforçar a sua posição no banco liderado por Nuno Amado e assim elevar para 30% a sua posição no BCP.

 

"A cotação do BCP deve continuar pressionada, apesar de existir o compromisso da Fosun, subscrever mais 40% do montante do aumento de capital, para ficar com 30% do banco. Alguns accionistas estão à espera da transacção dos direitos, pelo que até essa data a cotação deve manter-se pressionada", explicou Pedro Lino, presidente executivo da Dif Brokers, em declarações ao Negócios.

 

 




A sua opinião41
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 5 dias

Há uns meses atrás não queria sobrecarregar mais os acionistas com aumentos de K e abriu a janela para a entrada dos chineses; agora lança um aumento de K que obriga os acionistas a um investimento maior que o valor atual das ações; há uns meses atrás era preciso fundir as ações e SE&O na 1º proposta creio que fundia centenas de ações em 1; depois de o governo ter legislado à medida e ter feito a fusão; agora volta e "desfundir" as ações; depois de prejuizos seguidos e brutais, apresentou RL positivos; agora parece que o saco das imparidades ainda está cheio; que trapalhada é esta; que palhalada é esta? não há no governo um resquício de competência e maturidade que ponha cobro a isto?
Porque raio esta operação é lançada em Janeiro e não depois de apresentarem os resultados de 2016? É evidente que os grandes acionistas já conhecem esses resultados, mas os pequenos não. Como é: a CMVM está a dormir? onde está a informação igual para todos? Suspenda o aumento de K para depois do fecho.

comentários mais recentes
Arierom Sevla Há 5 dias

Volta Jardim Gonçalves...Estás perdoado!!!-E ninguém vai preso?!

José Vilela Rodrigues Há 5 dias

Este vigarista já está no tribunal para ser preso ?

Carlos Costa Há 5 dias

Va medem o dinheiro para la vão tere uma surpresa

Anónimo Há 5 dias

JÀ !!! Daqui por uns dias volta ao ponto de partida 0.015€ mais uma tratantada de 20 para 1 e 3x9= 27 noves fora e depois, já sabem o resultado ...Da-se, lá o MAMADO é pior que uma samsuga, ROUBAR AO C@_R@__LHO que o FO.--D@,nunca vi um EsKrOKuE desse tamanho!!! D@-se

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub