Bolsa Bolsa de Lisboa acompanha tom positivo europeu com 17 cotadas em alta

Bolsa de Lisboa acompanha tom positivo europeu com 17 cotadas em alta

A bolsa de Lisboa mantém-se em terreno positivo, em linha com as principais congéneres europeias. Quase todas as cotadas estão com sinal mais. Destaque para as acções da Sonae e Navigator.
Bolsa de Lisboa acompanha tom positivo europeu com 17 cotadas em alta
Reuters
Ana Laranjeiro 19 de junho de 2017 às 11:19

A bolsa nacional continua a negociar no verde, numa altura em que a maioria das cotadas segue em alta. O PSI-20 ganha 0,63% para 5.307,19 pontos, com 17 empresas em terreno positivo e duas em queda. Um comportamento que tem lugar depois de na última sexta a agência de notação financeira Fitch, ter melhorado a perspectiva para o "rating" de Portugal, o que indica que a próxima decisão poderá ser de subida da notação financeira do país, o que retirará o "rating" do chamado patamar de "lixo".


As acções da Navigator e da Sonae são duas das que estão em destaque. A Navigator ganha 2,05% para 3,98 euros. A Semapa e a Altri sobem, ambas, 0,73% com a primeira a valer 17,15 euros e a Altri 4,40 euros.

No retalho, a Sonae avança 1,83% para 94,6 cêntimos. E a Jerónimo Martins valoriza 0,45% para 17,855 euros.


A EDP soma 0,72% para 3,069 euros, aliviando assim das quedas recentes. Por outro lado, a EDP Renováveis é uma das cotadas em queda, recuando 0,09% para 7,024 euros.


A REN sobe 0,10% para 2,917 euros.
E a Galp cresce 0,07% para 13,595 euros, isto numa altura em que os preços do petróleo estão em alta ligeira nos mercados internacionais. O Brent do Mar do Norte, referência para Portugal, ganha 0,17% para 47,45 dólares por barril.


O BCP valoriza 0,80% para 23,94 cêntimos. E o Montepio soma 0,19% para 51,9 cêntimos.


A Corticeira Amorim ganha 1,99% para 13,055 euros.


A Nos sobe 0,18% para 5,427 euros.


Entre as restantes praças europeias verifica-se uma tendência positiva, com o índice europeu de referência, o Stoxx 600, a registar uma valorização de 0,79%. 
As acções europeias, de acordo com a Reuters, estão a aproximar-se da maior subida em dois meses. Isto depois de o partido do presidente francês ter obtido uma maioria absoluta na segunda volta das eleições legislativas, o que leva o mercado a acreditar que França vai implementar reformas económicas.

Holger Schmieding, economista no Berenberg, à Reuters, aponta que a instituição antecipa que "as reformas de Macron transformem a França como as reformas de Thatcher curaram o antigo doente da Europa, o Reino Unido, há 35 anos".


A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

FOSUN IRÀ LANÇAR UMA OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO AO BCP!?!?!?!?!?!?!?!?!

Como há gente que inventa disparates tao grandes....completamente fora de contexto....SEM FUNDAMENTOS.... irra!

Anónimo Há 3 dias

FOSUN IRÀ LANÇAR UMA OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO AO BCP!?!?!?!?!?!?!?!?!

Como há gente que inventa disparates tao grandes....completamente fora de contexto.... irra!

qadsfgfgjh Há 3 dias

Realmente não se aprende aqui nada, comentários de desespero que revelam que determinados manjericos não deveriam fazer parte desta família!

BPI:avaliações divulgadas ao público,em putrefação Há 3 dias

Impresa foi uma das 4 cotadas,com subida de avaliação pelo BPI.Veja-se a putrefação em que a avaliação chegou ao publico em geral a 14-06-2017,no JdN:a 2 Maio/17 fechou a 0,199Eur. Mas já antes da notícia JdN, a 12 Junho/17 fechou a 0,320 Eur.Ou seja, primeiro abasteceram-se os privilegiados do BPI.

ver mais comentários
pub