Bolsa Bolsa de Lisboa acompanha tom positivo europeu com 17 cotadas em alta

Bolsa de Lisboa acompanha tom positivo europeu com 17 cotadas em alta

A bolsa de Lisboa mantém-se em terreno positivo, em linha com as principais congéneres europeias. Quase todas as cotadas estão com sinal mais. Destaque para as acções da Sonae e Navigator.
Bolsa de Lisboa acompanha tom positivo europeu com 17 cotadas em alta
Reuters
Ana Laranjeiro 19 de junho de 2017 às 11:19

A bolsa nacional continua a negociar no verde, numa altura em que a maioria das cotadas segue em alta. O PSI-20 ganha 0,63% para 5.307,19 pontos, com 17 empresas em terreno positivo e duas em queda. Um comportamento que tem lugar depois de na última sexta a agência de notação financeira Fitch, ter melhorado a perspectiva para o "rating" de Portugal, o que indica que a próxima decisão poderá ser de subida da notação financeira do país, o que retirará o "rating" do chamado patamar de "lixo".


As acções da Navigator e da Sonae são duas das que estão em destaque. A Navigator ganha 2,05% para 3,98 euros. A Semapa e a Altri sobem, ambas, 0,73% com a primeira a valer 17,15 euros e a Altri 4,40 euros.

No retalho, a Sonae avança 1,83% para 94,6 cêntimos. E a Jerónimo Martins valoriza 0,45% para 17,855 euros.


A EDP soma 0,72% para 3,069 euros, aliviando assim das quedas recentes. Por outro lado, a EDP Renováveis é uma das cotadas em queda, recuando 0,09% para 7,024 euros.


A REN sobe 0,10% para 2,917 euros.
E a Galp cresce 0,07% para 13,595 euros, isto numa altura em que os preços do petróleo estão em alta ligeira nos mercados internacionais. O Brent do Mar do Norte, referência para Portugal, ganha 0,17% para 47,45 dólares por barril.


O BCP valoriza 0,80% para 23,94 cêntimos. E o Montepio soma 0,19% para 51,9 cêntimos.


A Corticeira Amorim ganha 1,99% para 13,055 euros.


A Nos sobe 0,18% para 5,427 euros.


Entre as restantes praças europeias verifica-se uma tendência positiva, com o índice europeu de referência, o Stoxx 600, a registar uma valorização de 0,79%. 
As acções europeias, de acordo com a Reuters, estão a aproximar-se da maior subida em dois meses. Isto depois de o partido do presidente francês ter obtido uma maioria absoluta na segunda volta das eleições legislativas, o que leva o mercado a acreditar que França vai implementar reformas económicas.

Holger Schmieding, economista no Berenberg, à Reuters, aponta que a instituição antecipa que "as reformas de Macron transformem a França como as reformas de Thatcher curaram o antigo doente da Europa, o Reino Unido, há 35 anos".




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.06.2017

FOSUN IRÀ LANÇAR UMA OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO AO BCP!?!?!?!?!?!?!?!?!

Como há gente que inventa disparates tao grandes....completamente fora de contexto....SEM FUNDAMENTOS.... irra!

Anónimo 19.06.2017

FOSUN IRÀ LANÇAR UMA OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO AO BCP!?!?!?!?!?!?!?!?!

Como há gente que inventa disparates tao grandes....completamente fora de contexto.... irra!

qadsfgfgjh 19.06.2017

Realmente não se aprende aqui nada, comentários de desespero que revelam que determinados manjericos não deveriam fazer parte desta família!

BPI:avaliações divulgadas ao público,em putrefação 19.06.2017

Impresa foi uma das 4 cotadas,com subida de avaliação pelo BPI.Veja-se a putrefação em que a avaliação chegou ao publico em geral a 14-06-2017,no JdN:a 2 Maio/17 fechou a 0,199Eur. Mas já antes da notícia JdN, a 12 Junho/17 fechou a 0,320 Eur.Ou seja, primeiro abasteceram-se os privilegiados do BPI.

ver mais comentários