Bolsa Bolsa nacional cai arrastada pela Jerónimo e pela Pharol

Bolsa nacional cai arrastada pela Jerónimo e pela Pharol

A bolsa nacional não resistiu e terminou a sessão em queda, num dia em que as acções da Jerónimo Martins reagiram aos resultados do primeiro trimestre do ano. No acumulado da semana, a bolsa caiu mais de 1,5%.
Bolsa nacional cai arrastada pela Jerónimo e pela Pharol
Bloomberg
Sara Antunes 21 de abril de 2017 às 16:44
O PSI-20 desceu 0,62% para 4.876,43 pontos, com 16 cotadas em queda e três a subir. Entre os congéneres europeus a tendência não foi definida, com alguns índices a subirem e outros a caírem, na última sessão antes da primeira volta das eleições em França.

No acumulado da semana, o principal índice da bolsa nacional caiu 1,74%, o que corresponde à terceira queda semanal consecutiva, algo que já não acontecia desde Novembro. 

A determinar a queda da bolsa esteve a Jerónimo Martins, ao perder 1,23% para 16,10 euros, depois de ontem já ao final do dia ter revelado os seus resultados do primeiro trimestre do ano, tendo reportado uma quebra dos lucros para os 78 milhões de euros, em linha com o esperado pelos analistas.

A pesar na negociação estiveram também as acções da Pharol, que desceram 4,53% para 0,295 euros, elevando para mais de 15% a queda semanal. A queda abrupta das acções da empresa liderada por Palha da Silva ocorreu sobretudo depois de a Oi ter anunciado que a Holanda decretou a falência de dois veículos financeiros no país.

Do lado oposto esteve apenas o BCP, ao subir 0,27% para 0,1875 euros, os CTT, que apreciaram 0,42% para 5,009 euros e as unidades de patricipação do Montepio, que apreciaram 0,24% para 0,416 euros.

Na energia, a EDP recuou 0,07% para 3,045 euros enquanto a EDP Renováveis perdeu 0,29% para 6,88 euros. A Galp Energia depreciou 0,70% para 14,175 euros, num dia em que os preços do petróleo voltaram às quedas acentuadas. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, cai 2,11% para 51,87 dólares, pressionado pelos dados que apontam para que a produção dos EUA está a anular o impacto dos cortes de produção dos países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

A Nos também desceu quase 1% para 5,044 euros. 

(Notícia actualizada às 16:52 com mais informação)



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

o país beneficia de situação curiosa
Governo de esquerda com política de direita.A paz social vale 2.000milhoes/ano
Em rota de aproximação as exigências europeias aumenta a credibilidade e reforça
perspectiva de Rating futuro
Sobreaquecimento da bolsa americana
Oportunidade bolsas europeias

pub