Bolsa Bolsas europeias com maior subida em dois meses apoiadas pelo efeito Macron

Bolsas europeias com maior subida em dois meses apoiadas pelo efeito Macron

A confirmação de que o movimento do presidente francês garantiu uma estável maioria absoluta no Parlamento gaulês impulsionou as principais praças europeias que registaram mesmo a maior subida diária em praticamente dois meses.
Bolsas europeias com maior subida em dois meses apoiadas pelo efeito Macron
Reuters
David Santiago 19 de junho de 2017 às 17:13

O índice de referência europeu Stoxx 600 encerrou a sessão bolsista desta segunda-feira, 19 de Junho, a somar 0,86% para 391,94 pontos, a maior valorização diária desde 24 de Abril, dia em que subiu mais de 2%. O Stoxx 600 negociou em máximos de 5 de Junho na segunda sessão consecutiva em terreno positivo, o que permitiu ao índice que agrega as 600 maiores cotadas europeias recuperar parte das perdas acumuladas nas duas últimas semanas. 

 

Tal como na sessão de 24 de Abril, desta feita foi também Emmanuel Macron a impulsionar as principais praças europeias. Primeiro, Macron venceu por larga margem, em 23 de Abril, a primeira volta das presidenciais gaulesas, um acto eleitoral que desde logo permitiu antecipar que o candidato centrista venceria a decisiva segunda volta, que teria lugar duas semanas depois.

 

Agora foi a segunda volta das legislativas que confirmou todas as previsões, atribuindo ao República em Marcha (LREM, movimento centrista liderado por Macron e que só será formalmente constituído como partido em Julho) a maioria absoluta no Parlamento francês.

 

Assim, o chamado efeito Macron providenciou maior optimismo aos investidores europeus, que acreditam que a maioria parlamentar de Macron agora confirmada permitirá ao presidente gaulês implementar a prometida agenda reformista, designadamente o prometido aprofundamento da reforma laboral que o inquilino do Eliseu já ensaiou enquanto ministro da Economia de François Hollande e que já assegurou pretender aprofundar. 

Por outro lado, as políticas pró-europeias e de abertura defendidas por Macron são vistas com maior probabilidade de execução dado que o mandato presidencial sai reforçado pela maioria absoluta no Parlamento. 

 

O índice gaulês CAC40 acompanhou a tendência de ganhos ao somar acima de 0,90%, no segundo dia em alta e em que também transaccionou no valor mais alto desde 5 de Junho, tal como em Lisboa o PSI-20 que fechou o dia em máximos de quase um ano e meio.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
GLINTT Há 4 dias

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 120% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 21%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

Juca Há 4 dias

O Macrão pode ser como o feijão. Come-se, pode fazer gases e dar mau cheiro.

Amado Há 4 dias

A França poderá voltar a ser um país interessante em muitos aspetos. Embora e para já parta para uma "época" em q só 50% dos Franceses apostaram. Estão por lá milhares de compatriotas q viram as suas vidas a "andar para traz" nos anos mais recentes; como por cá Nós. Votos de melhorias para Todos,Cps

pub
pub
pub
pub