Bolsa Bolsas europeias em mínimos de 2014 com banca a penalizar

Bolsas europeias em mínimos de 2014 com banca a penalizar

As bolsas europeias seguem em queda pela sétima sessão num dia em que as bolsas japonesas caíram mais de 5%. O Stoxx 600 está em mínimos de Outubro de 2014, penalizado essencialmente pela banca.
Bolsas europeias em mínimos de 2014 com banca a penalizar
Bloomberg
David Santiago 09 de Fevereiro de 2016 às 13:49

O índice de referência europeu, Stoxx 600, que agrupa as 600 maiores cotadas do Velho Continente, segue a ceder 2,02% para 308 pontos naquela que é já a sétima sessão consecutiva a negociar em terreno negativo. Esta é mesmo a pior sequência registada pelo Stoxx 600 desde Outubro de 2014, estando este índice em mínimos desse mesmo ano.

 

Está a ser um dia de perdas generalizadas nas praças europeias e também mundiais. Na Europa, o principal índice bolsista grego, o FTASE, voltou a estabelecer um novo mínimo histórico numa altura em que desvaloriza 5,97%. O espanhol Ibex e a praça bolsista italiana também recuam acima de 3% para negociarem em mínimos de Julho de 2013.

 

Já o alemão DAX, que cai quase 2%, está em mínimos de Outubro de 2014, enquanto o português PSI-20 apesar de perder 2,84% escapa ao registo de mínimos. Esta terça-feira volta a verificar-se forte volatilidade nos mercados internacionais. Mesmo o Stoxx 600 já esteve a transaccionar em terreno positivo nesta terça-feira.

 

Contudo, o sentimento que prevalece é o de receio por parte dos investidores, isto depois de as bolsas japonesas terem desvalorizado mais de 5%, o que levou o iene para o valor mais alto em mais de um ano face ao dólar norte-americano. Isto depois das perdas avultadas registadas na segunda-feira, que levaram as praças europeias a cair mais de 3,5% perante a apreensão relativamente aos sinais de abrandamento da economia global. Também o euro e o franco suíço estão a valorizar.

 

"A volatilidade está a ficar demasiado grande", aponta Guillermo Hernandez Sampere, director de negociação da MPPM, que considera que "não regressaremos a águas calmas em breve".

 

Tal como na última sessão, nas praças europeias é a banca que segue a liderar as perdas, com o sector financeiro europeu a desvalorizar 3,42%. Dois bancos gregos e o BCP são mesmo os bancos que registam as maiores quedas. O Eurobank afunda 14,93% para 0,33 euros, o BCP desliza 8,31% para 0,034 euros e o Alpha Bank desce 7,14% para 1,04 euros.

 

Nota negativa ainda para o Deutsche Bank que está a recuar 2,21% para 13,515 euros por acção, isto depois de o banco germânico ter sido o maior banco em, pelo menos, quatro anos a ver-se obrigado a garantir aos investidores e funcionários que tem dinheiro suficiente para cumprir as suas obrigações. A situação da instituição financeira germânica é vista como um espelho do momento que vive a banca europeia




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
mamaaqui 09.02.2016

BCP vai ser o proximo BANIf nos proximos 2 meses

AL 09.02.2016

AL
2.81

Curoka 09.02.2016

Em tempos tive uns desentendimentos com uns ganadeiros, porque tive a coragem de os avisar da sua cegueira. Deixem a cadeira e vejam o mundo e as pessoas que vos rodeiam. Cada vez existem mais cigarras e menos formigas.

pub
pub
pub
pub