Bolsa BPI regressa à negociação a subir mais de 4%

BPI regressa à negociação a subir mais de 4%

Os títulos, que foram suspensos na última sessão quando estavam a valorizar mais de 10%, seguem a ganhar mais de 4%, depois de o CaixaBank e de Isabel dos Santos terem confirmado que estão em negociações.
BPI regressa à negociação a subir mais de 4%
Miguel Baltazar/Negócios
Patrícia Abreu 03 de março de 2016 às 08:22

As acções do BPI, que estavam suspensas desde a manhã de quarta-feira, voltaram a negociar e já seguem a valorizar mais de 4%. A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários levantou a suspensão dos títulos, depois de o CaixaBank ter confirmado que está a negociar com Isabel dos Santos a compra da sua participação no banco.


O BPI segue a valorizar 4,15% para 1,229 euros, depois da negociação ter sido interrompida na sessão anterior a meio da manhã devido à especulação em torno de negociações entre os dois principais accionistas da instituição. Na altura em que foram suspensas pelo regulador, as acções seguiam a disparar 10,38% para 1,18 euros.


O CaixaBank confirmou em comunicado que "mantém contactos com o BPI e com o seu accionista, Santoro Finance – Prestação de Serviços no contexto da situação do excesso de concentração de riscos do BPI decorrente da sua participação de controlo no BFA".


Já Isabel dos Santos, a empresária angolana que tem 18,58% do BPI e mais 2,28% por via do Banco BCI e dos seus gestores, adiantou que está preocupada com o aproximar do prazo para o banco liderado por Fernando Ulrich reduzir a sua exposição a Angola, tal como determinado pelo BCE. E que se não acontecer até 10 de Abril, tal como o Negócios avançou, o banco arrisca-se a uma coima diária de no máximo de 162 mil euros.


Os analistas acreditam que o cenário mais provável é de uma nova oferta pública de aquisição (OPA), uma vez que para comprar as acções da angolana o CaixaBank terá que lançar uma oferta sobre a totalidade do capital do banco. O preço oferecido pelo banco catalão no ano passado, 1,329 euros por acção, pode ser um valor indicativo para uma nova contrapartida.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
gesttor 03.03.2016

OS GULOSOS FORAM A CORRER COMPRAR ACOES DOS BANCOS, ATE PARECE QUE NAO CONHECEM A SITUACAO DESTES, AGORA FICAM AGARRADOS E ESPERAR MAIS UM ANO PARA RECUPERAR?

faria 03.03.2016

O simulador diz que hoje fecha com -5 por 100. Aguardemos.

Anónimo 03.03.2016

É só peixinhos a morder o anzol, quando perceberem no engodo que caíram vai ser tarde de mais,( na historia deste Pais,nenhum processo destes cm o BPI acabou em consensos, ninguém vai ceder e o poder politico tanto em Portugal cm dp em Angola, vão intervir) toda a Banca Portuguesa terá que ser resgatada, a começar pela Caixa Geral de depósitos que necessita de mais de 2 mil milhões de euros.

1111 03.03.2016

SERÁ QUE A MONTANHA PARÍU UM RATO, AÇÕES PERDEM FORÇA, ISABEL DOS SANTOS NÃO DORME.

pub
pub
pub
pub