Bolsa Pharol afunda quase 20% com falências da Oi Brasil e PT Finance na Holanda

Pharol afunda quase 20% com falências da Oi Brasil e PT Finance na Holanda

O valor dos títulos caiu para um mínimo de mais de dois meses, afundando 18,58% na sessão desta quinta-feira. A reacção ocorre depois de a Oi ter anunciado que a Holanda decretou a falência de dois veículos financeiros no país.
Pharol afunda quase 20% com falências da Oi Brasil e PT Finance na Holanda
Pedro Elias/Negócios

As acções do accionista de referência da Oi, a portuguesa Pharol, chegaram a afundar quase 20% esta quinta-feira, 20 de Abril, depois de um tribunal da Holanda ter determinado a falência dos veículos da Oi em território holandês.

Os papéis da empresa liderada por Luís Palha da Silva (na foto) chegaram a cair 18,58% na sessão, para os 0,276 euros, um mínimo intradiário de mais de dois meses (2 de Fevereiro) e a maior queda desde 13 de Fevereiro. Os títulos abrandaram entretanto as quedas e seguem a perder 15,34% para 0,287 euros.

A Pharol, com 27,5% da Oi, reage assim negativamente à decisão Corte de Apelação Holandesa, que dá razão a um grupo de credores da operadora. Estes obrigacionistas, com dois mil milhões de dólares em títulos de dívida destas companhias, tinham recorrido de uma primeira decisão do tribunal que, em Fevereiro, recusara a conversão dos processos de protecção de credores da Oi e da PT Finance em processos de falência.

A conversão é, agora, autorizada pelas instâncias judiciais. Mas a Oi afirma que vai recorrer da decisão, cujos efeitos, diz, estão restritos à jurisdição e lei holandesas e não são definitivos.

"A Oi Brasil Holdings e PTIF continuam em recuperação judicial no Brasil e esclarece que as presentes decisões não têm impacto sobre o dia-a-dia da companhia e das suas actividades operacionais," refere o comunicado da Oi.

As companhias com sede na Holanda do universo Oi têm emitidos 6,2 mil milhões de dólares em obrigações, garantidas pela Oi.




A sua opinião28
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 dias

Estavam à espera de mais um resgate, uma nacionalização do prejuízo ou uma socialização dos custos da incompetência, da má gestão e da fraude? Ahahahahahahahah

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 dia

São precisos nervos de aço e... dinheiro a mais para investir nesta empresa. São uma a seguir às outras.

Anónimo Há 1 dia

Até o CEO da Altice está espantado com as regras laborais portuguesas que o obrigam a pagar milhares de salários a colaboradores excedentários de que a empresa já não necessita. É o que faz não se ter dado nas orelhas dos sindicalistas mais cedo... Triste paízinho roubado descaradamente por todos os ladrões, dos maiores aos mais pequeninos.

Anónimo Há 2 dias

Os obrigacionistas lesados não podem desistir e têm de continuar a exigir a garantia dos seus investimentos... esta decisão da Holanda trava a balbúrdia que se queria instalar... vamos com calma porque existe muito património...

Anónimo Há 2 dias

Holanda é o único país que teve a falência de uma subsidiaria da 'Oi telecomunicações'. Estamos falando da maior empresa de telefonia da América do Sul, e de um grupo que atua em todo o mundo!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub