Dividendos Navigator aumenta dividendos para 250 milhões

Navigator aumenta dividendos para 250 milhões

A empresa liderada por Diogo da Silveira volta a pagar um dividendo através da distribuição de reservas livres, além da remuneração regular. No total os accionistas recebem 250 milhões.
Navigator aumenta dividendos para 250 milhões
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Carregueiro 27 de abril de 2017 às 18:48
A Navigator vai pagar um dividendo total de 34,868 cêntimos referente ao exercício do ano passado, anunciou a companhia nas propostas que vai levar à votação dos accionistas na assembleia geral marcada para 24 de Maio.
 
O dividendo regular é de 23,71 cêntimos, o que representa um aumento de 49% face à remuneração do ano passado.
 
Mas tal como tem feito nos últimos exercícios, a Navigator vai voltar a pagar dividendos através da distribuição de reservas livres. São mais 11,158 cêntimos, o que representa um aumento de 43% face ao valor do ano passado.
 
Contas feitas, a Navigator vai remunerar os accionistas com um dividendo total por acção de 34,868 cêntimos, ou seja, um crescimento de 47% face aos 23,712 cêntimos do ano anterior.
 
Além dos 23,712 cêntimos pagos no ano passado, a Navigator tinha distribuido dois dividendos especiais no final de 2015, no valor total de 18,13 cêntimos. Ou seja, referente ao exercício de 2015 os accionistas da Navigator receberam 41,842 cêntimos por acção, mais do que vai ser pago em relação ao exercício de 2016.   

Este dividendo total que vai ser pago este ano representa uma rendibilidade de 9,12%, tendo em conta a cotação de fecho nos 3,82 euros. Com esta remuneração, a Navigator coloca-se no topo das cotadas portuguesas com o dividendo mais rentável, rivalizando com os CTT, que também apresenta um "dividend yield" próximo dos dois dígitos.
 
250 milhões para accionistas e 7 para colaboradores
 
Na proposta que vai submeter à aprovação dos accionistas a Navigator refere que o dividendo regular traduz o pagamento de um total de 170 milhões de euros. Já as reservas livres representam um desembolso de 80 milhões de euros, pelo que no total os accionistas vão receber 250 milhões de euros em dividendos.
 
Na proposta de distribuição de resultados a Navigator contempla também o pagamento de 7 milhões de euros aos colaboradores, por participação nos lucros do exercício do ano passado.
 
Este valor também representa um aumento de 16,6%, já que em 2016 os colaboradores receberam 6 milhões de euros.

Nas propostas que vai submeter aos accionistas, a Navigator vai ainda colocar à aprovação dos accionistas a revogação da decisão de alterar o período anual de prestação de contas, que continua assim a decorrer entre o dia 1 de Janeiro e o dia 31 de Dezembro de cada ano.

A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Os funcionários deviam comprar acções se pretendessem receber parte dos lucros que a empresa conseguir realizar num ano. A própria empresa, podia criar um sistema de incentivos através de atribuição de stock options a quem mais se distinguisse na organização. Esta gente quer ter o melhor do sindicalismo marxista e do capitalismo de mercado dentro da mesma organização. Querem salários crescentes e contratos vitalícios à prova de condições de oferta e procura de mercado e de avanço tecnológico, por um lado. E por outro, ao mesmo tempo, querem retorno sobre o capital sem investirem e sem arriscarem. É um ridículo absurdo. É desta forma que Estados se tornam insustentáveis, sociedades se tornam iníquas e economias perdem toda a sua competitividade no mundo moderno e globalizado.

comentários mais recentes
eduardo.santos Há 1 semana

CONCORDO QUE OS FUNCIONARIOS TENHAM RENDIMENTO NOS LUCROS, SO A SSIM SE EMPENHSAM COM ENTUSIASMO--------------------DAR SO A ALGUNS É A MAIOR ASNEIRA DA ADMINISTRAÇÃO---------ERA O MESMO QUE CRIAE ANTICORPOS NA EMPRESA .

Anónimo Há 3 semanas

Os funcionários deviam comprar acções se pretendessem receber parte dos lucros que a empresa conseguir realizar num ano. A própria empresa, podia criar um sistema de incentivos através de atribuição de stock options a quem mais se distinguisse na organização. Esta gente quer ter o melhor do sindicalismo marxista e do capitalismo de mercado dentro da mesma organização. Querem salários crescentes e contratos vitalícios à prova de condições de oferta e procura de mercado e de avanço tecnológico, por um lado. E por outro, ao mesmo tempo, querem retorno sobre o capital sem investirem e sem arriscarem. É um ridículo absurdo. É desta forma que Estados se tornam insustentáveis, sociedades se tornam iníquas e economias perdem toda a sua competitividade no mundo moderno e globalizado.

soporceliano Há 3 semanas

Pois é meus senhores a diferença aqui é que os 250 sao a dividir de igual para todos os accionista e os 7 nao sao.enquanto uns recebem 10.000 euros outros recebem 1000 nao é justo visto ser pago como gratificaçao por resultados todos deviam receber igual porque os vencimentos ja destinguem hierarqu

Anónimo Há 3 semanas

Tem colaboradores penduras a mais.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub