OPV dos CTT CTT continuam escalada em bolsa mas esgotam potencial de valorização apontado pelos analistas

CTT continuam escalada em bolsa mas esgotam potencial de valorização apontado pelos analistas

A empresa de serviço postal esteve a valer mais de 1.100 milhões de euros, um terço acima da capitalização bolsista com que entrou no mercado de capitais. A entrada no PSI-20 pode ocorrer já em Março.
CTT continuam escalada em bolsa mas esgotam potencial de valorização apontado pelos analistas
Diogo Cavaleiro 20 de fevereiro de 2014 às 13:58

Os CTT mantêm a trajectória positiva em bolsa. Esta manhã, já subiram mais de 2,5%. Fecharam a ganhar 1%. Mas o avanço é tão intenso nas últimas semanas que já levou a empresa a superar praticamente todos os preços-alvo atribuídos pelos analistas que fazem a cobertura da acção.

 

Os títulos da empresa fecharam esta quinta-feira a negociar nos 7,25 euros, o que corresponde a uma subida de 1,12% face ao fecho de ontem. Durante a sessão, os títulos chegaram a tocar nos 7,36 euros, o preço mais alto de sempre desde que são negociados em bolsa.

 

O preço a que os títulos estiveram hoje a ser transaccionados supera o preço-alvo atribuído por quatro das cinco casas de investimento que fazem a cobertura dos CTT. BPI, BBVA, Millennium IB e BESI esperam que a companhia liderada por Francisco Lacerda (na foto) esteja a cotar, no período de 12 meses, num preço entre 6,95 (Millennium) e 7,20 euros (BBVA).

 

A única unidade de investimento cujo “target” ainda não foi superado é a do norte-americano JPMorgan: 7,40 euros. O que quer dizer que, partindo da cotação mais elevada de hoje, a valorização potencial até alcançar esse preço é de 0,5%.

 

Pela frente, os Correios de Portugal têm a provável entrada no índice de referência PSI-20, que deverá ocorrer na terceira sexta-feira de Março (dia 21). O ingresso naquela que é a principal montra da bolsa de Lisboa (estando exposto a mais investidores e a fundos que replicam o comportamento do índice) é sempre visto como positivo pelos especialistas.

 

“Alguns investidores, sobretudo institucionais, deverão estar já a ajustar fluxos de investimento, posicionando-se para a integração dos CTT no PSI-20 em Março e reduzindo ligeiramente a exposição à banca, o sector que mais subiu este ano”, comentou o gestor da XTB Portugal, Steven Santos, por e-mail.

 

Um outro elemento de destaque para a acção do sector postal é a possibilidade de prestação de serviços bancários. Não há ainda novidades em relação à licença de Banco Postal sendo que, à partida, qualquer decisão só será tomada após 5 de Maio, quando for eleito o novo conselho de administração.

 

Supera 1.100 milhões pela primeira vez

 

Desde que estão em bolsa, os CTT apresentam um forte comportamento de subida. A estreia, a 5 de Dezembro, foi feita a 5,52 euros, o mesmo preço a que tinha sido vendido o capital pelo Estado directamente aos investidores. Com esta cotação, o valor de mercado da companhia era de 828 milhões de euros.  

 

Com o embalo da promessa de elevado dividendo anual (90% dos resultados), o primeiro mês foi de uma valorização tímida mas Janeiro e Fevereiro têm sido de fortes subidas. A valorização bolsista com a cotação de fecho é de 1.088 milhões de euros. Contudo, quando superou os 7,34 euros por acção, ultrapassou-se já a fasquia dos 1.100 milhões de euros. Foi a primeira vez que tal aconteceu. A barreira dos 1.000 milhões foi alcançada a 30 de Janeiro.

 

Em menos de três meses, ou seja, no período em que está em bolsa, a companhia conseguiu acrescentar um terço do seu valor (33%) à capitalização bolsista.

 

 

(Notícia actualizada às 16h53 com cotações de fecho da sessão)

 




Saber mais e Alertas
pub