OPV ES Saúde Acções da ES Saúde acima da oferta da José de Mello com expectativa de revisão em alta da Ángeles

Acções da ES Saúde acima da oferta da José de Mello com expectativa de revisão em alta da Ángeles

Os títulos da empresa liderada por Isabel Vaz sobem quase 4%, negociando acima da oferta do grupo português. Os investidores estarão a reflectir expectativa de revisão em alta do grupo mexicano, dizem os analistas. Uma outra oferta concorrente é também uma possibilidade.
Acções da ES Saúde acima da oferta da José de Mello com expectativa de revisão em alta da Ángeles
Miguel Baltazar/Negócios
André Tanque Jesus 11 de setembro de 2014 às 13:50

Os títulos da Espírito Santo Saúde sobem 3,72% esta quinta-feira, 11 de Setembro, para 4,55 euros. Isto depois de terem já tocado nos 4,59 euros, um valor que fica mais de 4% acima do preço oferecido pelo Grupo José de Mello, que lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) à empresa, apresentando-se, assim, como concorrente ao Grupo Ángeles.

 

"Confirmou-se a expectativa criada após a crítica da administração da ES Saúde" ao preço da oferta mexicana, no relatório de apreciação da mesma, afirma Steven Santos. Para o analista da XTB, "o mercado está a ir atrás da nova oferta", antecipando "uma possível revisão em alta da proposta do Grupo Ángeles, ou até a apresentação de mais uma oferta concorrente".

 

Uma opinião partilhada por Miguel Gomes da Silva. O director da sala de mercados do Montepio considera que o mercado está a reagir em forte alta "com a especulação de que poderá haver uma nova ‘contra-OPA’. Ou seja, uma subida de preço por parte do Grupo Ángeles". Tal como Steven Santos, o especialista acrescenta que "há também a expectativa de que poderá haver mais um comprador concorrente". "Isto é o que os investidores acreditam", diz. Por fim, Miguel Gomes da Silva destaca que, após a "euforia" inicial que levou as acções a valorizarem até aos 4,59 euros, "não havendo mais notícias, é possível que os títulos estabilizem em torno dos 4,55 euros".

 

Apesar de concorrentes, as duas ofertas têm aspectos em comum. Como condição mínima, os grupos português e mexicano têm a aquisição de, pelo menos, 50,01% do capital social total da ES Saúde, no âmbito da OPA. Ao mesmo tempo, as duas empresas mostraram a intenção de retirar a cotada liderada por Isabel Vaz de bolsa, caso adquiram mais de 90% dos direitos de voto do capital social e dos direitos de voto sujeitos à oferta.

 

A oferta do Grupo José de Mello surge, assim, depois de o Grupo Ángeles ter apresentado, no passado dia 19 de Agosto, uma OPA à totalidade do capital da ES Saúde. Tal como aconteceu com a proposta portuguesa, o grupo mexicano terá de subir a sua oferta em pelo menos 2% acima do preço oferecido pela José de Mello. Este mínimo obriga a que o Grupo Ángeles, caso queira contrapor a proposta nacional, tenha de apresentar um preço de oferta mínimo de 4,488 euros por acção.




pub