Research EDP em máximos de dois anos com resultados superiores ao esperado

EDP em máximos de dois anos com resultados superiores ao esperado

O mercado liberalizado dinamizou os resultados da eléctrica nacional, que excederam o que era antecipado pelos analistas. Acções seguem em alta na bolsa de Lisboa.
EDP em máximos de dois anos com resultados superiores ao esperado
Paulo Segadães
Diogo Cavaleiro 10 de maio de 2013 às 11:12

Os analistas foram surpreendidos pelos resultados da EDP, que ficaram acima do esperado, animados pelo crescimento das suas actividades no mercado liberalizado. Em sentido inverso, esteve o agravamento dos recebimentos futuros da actividade regulada.

 

As acções da EDP estão a reagir em alta à apresentação dos resultados, feita na quinta-feira, 9 de Maio. Os títulos somam 1,11% para serem transaccionados nos 2,635 euros, numa altura em que o PSI-20 soma pouco mais de 0,5%. A eléctrica tocou já nos 2,67 euros por acção, revisitando valores que não eram vistos desde Maio de 2011.

 

O resultado líquido da eléctrica dirigida por António Mexia (na foto) fixou-se nos 335 milhões de euros nos primeiros três meses do ano, o que representa uma descida de 1% face ao período homólogo. Em termos de EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), houve um aumento de 7% para 1.072 milhões de euros.

 

Os analistas estão a dar um grande destaque ao impulso dado pelo mercado liberalizado para estes valores. Para o BES Investimento, este trimestre verificou-se “o melhor EBITDA no mercado liberalizado desde o primeiro trimestre de 2011”. “Isto, juntamente com o desempenho já anunciado (e melhor do que o esperado) nas eólicas [EDP Renováveis] são os elementos-chave para a surpresa positiva nestes resultados”, acrescenta a casa de investimento na nota de “research”.

 

O CaixaBI sublinha o facto de esta contribuição do mercado liberalizado ter compensado a suspensão do pagamento da garantia de potência em Portugal e os novos impostos em Espanha. “Consideramos que estes resultados salientam o perfil defensivo e diversificado da EDP”, conclui a analista Helena Barbosa na nota.

 

Apesar da melhoria do negócio eólico e liberalizado, a Energias do Brasil teve contas que ficaram aquém do expectável, segundo salienta o Millennium IB.

 

A unidade de investimento do BPI vê “margem para melhorias ligeiras nos números do ano de 2013 do consenso do mercado para reflectir o desempenho acima do previsto da unidade liberalizada da Península Ibérica”. Ainda assim, as possíveis alterações de regulação fazem com que sejam as vendas de posições minoritárias em parques eólicas à China Three Gorges, maior accionista da EDP, e outras transacções os principais elementos a ditar as alterações de estimativas. Neste momento, com os resultados do primeiro trimestre apresentados, o BPI mantém o “target” em 2,40 euros e a recomendação de “neutral”. O Millennium IB reitera as perspectivas, mantendo uma recomendação idêntica.

 

Regulação é elemento negativo

 

O BESI diz que “o único elemento negativo é o forte aumento dos recebimentos de activos regulados em Portugal, embora a titularização ontem anunciada, juntamente com os 150 milhões de défice tarifário titularizados em Abril, venham mitigar este efeito”.

 

A EDP contabilizou só no primeiro trimestre deste ano um agravamento de mais de 400 milhões de euros no montante que tem a receber como incumbente do sector energético em Portugal, conforme cita o Negócios na edição de sexta-feira. Os recebimentos futuros da actividade regulada são de 1.976 milhões de euros, de acordo com o relatório e contas. O que contribui para uma acumulação de dívida tarifária.

 

Como reduz essa dívida, a notícia de ontem que dá conta de que a EDP vendeu mais uma parte do défice tarifário, que estava incluída nos recebimentos futuros e poderá ser usado para essa diminuição da dívida, é positiva para analistas do Millennium IB e da CaixaBI.

 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de “research” emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de “research” na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.


A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Camponio da beira Há 1 semana

Espectáculo! E uma empresa com 750 posos de trabalho vai embora por causa dos custos excessivos da energia.

comentários mais recentes
Carlos Costa Pires Há 1 semana

Pois, lá andamos a encher o rabo do mexia e das estrelas magicas, que enquanto não afundarem a EDP não descansam...

Anónimo Há 1 semana

Os senhores contribuintes devem pedir explicações aos governantes sobre a liberalização do mercado da energia tal como no caso da liberalização do mercado dos combustíveis. A liberalização era suposto trazer benefícios para os consumidores através da maior concorrência, mas o que aconteceu nos dois casos foi o oposto! É no minimo estranho que assim seja. Mais especificamente, em relação à energia eléctrica, como é que se pode liberalizar um mercado monopolista? É absurdo! Isto só acontece através de corrupção! Um grupo de investidores enche os bolsos das pessoas que estão no poder para poderem ter uma fatia de um bolo que nunca lhes deveria pertencer! Isto é o que acontece na Máfia!

Rui Pinto Há 1 semana

La está a Estrela Magica a mostrar as cuecas ao Mexia...

luis Há 1 semana

nao consigo perceber como existe defice tarifario:)

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub