Research Goldman corta avaliação da EDP Renováveis para 5,10 euros

Goldman corta avaliação da EDP Renováveis para 5,10 euros

A casa de investimento reviu em baixa as estimativas de resultados para os próximos anos, o que teve impacto na avaliação da empresa de energias renováveis. O novo preço-alvo está 4% abaixo do actual valor das acções.
Goldman corta avaliação da EDP Renováveis para 5,10 euros
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 10 de junho de 2014 às 09:32

O Goldman Sachs reviu em baixa a avaliação da EDP Renováveis de 5,30 euros para 5,10 euros, um valor que corresponde a um potencial de desvalorização de 4,37% face ao actual preço das acções (5,333 euros), de acordo com uma nota de research a que o Negócios teve acesso. A recomendação foi mantida em "neutral".

 

"As nossas estimativas de resultados por acções para 2016-2018 foram cortadas em 16%, 15% e 14%", revela o analista Manuel Losa na nota de análise.

 

"O nosso preço-alvo é baseado numa combinação de 50:50 da avaliação da soma das partes, de 4,90 euros, e da avaliação do múltiplo de EV/EBITDA [valor da empresa sobre o EBITDA] de 5,40 euros", explica a nota. A avaliação da soma das partes "inclui 1,7 mil milhões de euros de vendas a um prémio de 30% face a avaliação" da casa de investimento, o que fica "em linha com o histórico da EDP Renováveis".

 

A casa de investimento adianta que, do lado dos riscos "positivos" estão alienações a um prémio superior à avaliação feita pela Goldman Sachs. Já do lado oposto está "nova intervenção do Governo", bem como alienações a um valor mais baixo do que o avaliado.

 

As acções da empresa liderada por Manso Neto (na foto) seguem a perder 0,50% para 5,333 euros.

 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.


A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado NirSup Há 2 semanas

Este banco, Goldman Sachs, é um artista de circo. Apesar de tudo, penso que é o banco que possui mais massa cinzenta por m2.
Mas também é perito na arte de baralhar e voltar a dar. E esta sua decisão de baixar o preço-alvo da EDPR tanto pode ser uma decisão fundamentada como uma decisão táctica ou estratégica (sabe-se lá com que objectivos).
O JP Morgan, outro artista de circo, saltou fora da EDP (posição qualificada) e, coincidência ou não, a EDP nunca subiu tanto em bolsa como depois dessa tomada de posição da JP Morgan.
Aguardemos, sentados no sofá, os próximos capítulos.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

JÁ VENDERAM AS AÇÕES QUE POSSUIAM.

Anónimo Há 2 semanas

mas não este o banco da mafia

Nuno de Magalhães Há 2 semanas

Muito bem, não há administração mais incompetente do que a da edp renováveis. O presidente que va cortar o cabelinho

Anónimo Há 2 semanas

Arranjem uma vaga na Isabel Queirós do Vale para este homem...

ver mais comentários
pub