Research Resultados da Navigator foram sólidos. Acções sobem 3%

Resultados da Navigator foram sólidos. Acções sobem 3%

Os lucros da Navigator ficaram 10 milhões de euros acima do estimado pelos analistas do BPI.
Resultados da Navigator foram sólidos. Acções sobem 3%
Nuno Carregueiro 25 de julho de 2018 às 11:24

As acções da Navigator estão a reagir em alta aos resultados que a fabricante de papel anunciou esta quarta-feira, antes da abertura da sessão.

Os títulos valorizam 1,94% para 5,05 euros, sendo que já estiveram a valorizar 3,15% para 5,11 euros. Desde o início do ano as acções acumulam uma subida de 20%, elevando a capitalização bolsista para 3,6 mil milhões de euros.

A empresa liderada por Diogo da Silveira anunciou esta manhã que fechou o primeiro semestre deste ano com um resultado líquido de 119,4 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 24,4% face ao mesmo período do ano passado.

As receitas cresceram 0,5% para 816,9 milhões de euros e o EBITDA aumentou 14% para 226 milhões de euros.

O BPI analisou estes números e concluiu que a Navigator apresentou resultados "sólidos", adiantando que poderia rever em alta as estimativas de resultados para este ano, embora assinale que a evolução da dívida líquida ficou aquém do estimado.  

A dívida líquida da Navigator atingiu 740,1 milhões de euros no final de Junho, o que traduz um aumento de 47,4 milhões de euros no semestre, "evolução que resulta essencialmente do pagamento de dividendos no montante de 200 milhões de euros em Junho".

Tendo em conta apenas o segundo trimestre, os lucros da Navigator (66 milhões de euros) ficaram 10 milhões de euros acima do esperado pelo BPI e o EBITDA ficou 4% acima do estimado. O banco justifica o desvio com os preços de venda mais elevados e valores mais reduzidos para as amortizações e depreciações, bem como na rubrica de impostos.

O BPI assinala que as acções da Navigator transaccionam com um prémio de 12% face ao sector, sendo que apesar da correcção recente, a avaliação do mercado permanece "justa". O BPI tem uma recomendação "neutral" para as acções, com um preço-alvo de 5,60 euros.