Research Resultados em linha com as estimativas não evitam queda das acções da JM

Resultados em linha com as estimativas não evitam queda das acções da JM

As acções da retalhista estão em mínimos de três semanas, depois dos resultados que não trouxeram "surpresas" para as casas de investimento. As recomendações e targets não sofreram alteração.
Resultados em linha com as estimativas não evitam queda das acções da JM
Rita Faria 21 de abril de 2017 às 10:28

As acções da Jerónimo Martins estão a negociar em mínimos de três semanas, reagindo negativamente aos resultados do primeiro trimestre apresentados após o fecho da sessão de ontem. A empresa liderada por Pedro Soares dos Santos revelou que os seus lucros atingiram 78 milhões de euros nos primeiros três meses deste ano, um crescimento ligeiro de 0,4% face ao mesmo período do ano passado.

 

Nesta altura, os títulos da retalhista descem 1,56% para 16,045 euros – o valor mais baixo desde 29 de Março – ainda que as contas do trimestre tenham ficado em linha com o esperado pelos analistas.

 

Numa nota de análise revelada esta sexta-feira, 21 de Abril, o Haitong sublinha que a subida de 9% das vendas e de 5% do EBITDA "ficou amplamente em linha com a nova previsão", com o bom desempenho da Biedronka a ser anulado pelas perdas "acima do esperado" da Ara e Hebe.

 

No que respeita ao negócio da Jerónimo Martins na Polónia, os analistas destacam que o crescimento das vendas LfL (like-for-like, ou seja, vendas nas lojas que operaram sob as mesmas condições nos dois períodos) de 8,4% superou as suas projecções de 8,1%, enquanto as vendas em Portugal ficaram 1% abaixo do esperado.

 

"O forte crescimento da Recheio não foi suficiente para anular o LfL desapontante do Pingo Doce", sublinha o Haitong. "A Recheio continua a beneficiar do bom momento do turismo em Portugal, que está a impulsionar a procura no segmento HORECA". Já a actividade na Colômbia "foi decepcionante" pelo segundo trimestre consecutivo.  

 

O Haitong manteve a recomendação "neutral" e o preço-alvo de 16 euros, considerando que mais subidas nos preço das acções estão muito dependentes do impulso dos resultados, que deverá continuar pouco expressivo.

 

Também o CaixaBI decidiu manter o preço-alvo de 16 euros e a recomendação "neutral". Os analistas afirmam que "não se verificaram surpresas neste conjunto de resultados face aos números e tendências antecipados na nossa nota de preview".

 

"Globalmente, a sólida evolução de vendas, nomeadamente na Polónia, foi penalizada (ao nível da rentabilidade) pelas maiores perdas nas novas operações", destacam numa nota de análise.

 

Para o BPI, tanto as vendas como o EBITDA ficaram 1% acima das estimativas, num conjunto de resultados que não trouxe muitas surpresas. O banco decidiu manter a recomendação "neutral" e o preço-alvo de 16,40 euros, o que tem implícito um potencial de valorização de 2,2%.



 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
estouapau 21.04.2017

Resultados em linha com as estimativas não evitam queda das acções da JM

COMO O IRC DESTES "PATRIOTAS", QUE ATÉ O PR CONDECORA, É PAGO NA HOLANDA, OS LUCROS DELES NÃO INTERESSAM AO PAÍS|
NÃO É VERDADEE SRS JORNALISTAS DO JN?

Anónimo 21.04.2017

ESSE PEDRO DOS SANTOS DEVIA TER VERGONHA DE PAGAR SALÁRIOS DE ESCRAVOS AOS TRABALHADORES DO PINGO DOCE, ENQUANTO ELE GANHA 90 VEZES MAIS A MEDIA DESSES SALÁRIOS. HÁ LIMITES. A SONAE TEM UM CAMPO DE TRABALHO CHAMADO GUANTANAMO, PORQUE SERÁ QUE OS TRABALHADORES DERAM, ESSE NOME? HAJA VERGONHA.

pub