Crédito Bancos emprestam 25 milhões por dia para a compra de casa

Bancos emprestam 25 milhões por dia para a compra de casa

O crédito à habitação voltou a aumentar, em Maio. Voltou a superar os 800 milhões de euros, de acordo com os dados do Banco de Portugal. Desde o início do ano, foram concedidos 3.784 milhões de euros. O saldo também já está a aumentar.
Bancos emprestam 25 milhões por dia para a compra de casa
Miguel Baltazar/Negócios
Raquel Godinho 10 de julho de 2018 às 11:08
Maio voltou a ser um mês forte para o crédito à habitação, depois da ligeira quebra registada um mês antes. Foram emprestados 815 milhões de euros para a compra de casa, de acordo com os dados divulgados pelo Banco e Portugal esta terça-feira, 10 de Julho. Este valor eleva para 3.784 milhões de euros o total concedido nos primeiros cinco meses do ano. Ou seja, em média, foram concedidos 25,1 milhões de euros por dia.

O crédito à habitação continua sem dar sinais de querer abrandar. Em Maio, a tendência voltou a ser de aumento das novas operações, com o montante emprestado a superar os 800 milhões de euros. Em apenas cinco meses, foram emprestados 3.784 milhões de euros, mais 23,4% do que no mesmo período do ano passado.

Este forte aumento das novas operações levou mesmo a que, em Maio, o "stock" do crédito à habitação tenha aumentado. Atingiu os 92.821 milhões de euros, ficando ligeiramente acima dos 92.807 milhões de euros registados um mês antes. Esta é a segunda vez no espaço de três meses que o saldo do crédito para a compra de casa aumenta. Este indicador está em queda quase ininterrupta desde Abril de 2011.

Este crescimento das novas operações começa, assim, a dar sinais de que está a superar as grandes amortizações que têm sido realizadas num contexto de taxas de juro negativas e próximas de mínimos históricos.

Neste período de aumento dos novos créditos à habitação, os bancos continuam a demonstrar a sua disponibilidade para emprestar, continuando a reduzir os "spreads" exigidos aos clientes. O último foi o Montepio que, na semana passada, cortou a sua margem mínima de 1,55% para 1,50%, fazendo a primeira alteração em quase dois anos.

Esta última alteração colocou o "spread" médio nos 1,33%, o que compara com os 1,47% que se registavam no início do ano.


Mas não foi só o crédito à habitação que viveu um mês positivo em Maio. Nos restantes segmentos, a tendência foi também de aumento. No crédito ao consumo, foram concedidos 429 milhões de euros, o valor mais elevado desde Junho de 2006. No acumulado dos primeiros cinco meses do ano, foram emprestados 1.922 milhões de euros, mais 16,5% do que no período homólogo.


Quanto ao crédito para outros fins, as novas operações em Maio totalizaram 162 milhões de euros, superando os 142 milhões de euros do mês anterior. Em cinco meses, as novas operações atingiram os 761 milhões de euros, ficando aquém dos 800 milhões de euros relativos ao mesmo período de 2017.


No acumulado, foram emprestados 6.467 milhões de euros às famílias, entre Janeiro e Maio. Um montante que representa um aumento de 17,2% face ao mesmo período do ano passado.


Relativamente às empresas, o movimento foi também de crescimento, tanto nas pequenas e médias empresas como nas grandes. As operações até um milhão de euros ascenderam a 1.535 milhões de euros, superando os 1.442 milhões de euros concedidos um mês antes. Já as operações acima de um milhão de euros totalizaram os 1.039 milhões de euros, mais do que os 1.019 milhões de euros emprestados em Abril.


No total, em Maio, os bancos concederam 2.574 milhões de euros às empresas. Um valor que elevou para 12.507 milhões de euros o montante emprestado nos primeiros cinco meses do ano. Este valor representa um aumento de 11,6% face ao período homólogo, revelam os dados do Banco de Portugal.


(Notícia actualizada às 11:33)



pub