Crédito Bankinter desce "spread" do crédito à habitação para 1%

Bankinter desce "spread" do crédito à habitação para 1%

O banco mantém assim a margem mais baixa do mercado. E dá um novo passo na "guerra de spreads" em Portugal.
Bankinter desce "spread" do crédito à habitação para 1%
Bruno Simão
Raquel Godinho 14 de setembro de 2018 às 11:19
O Bankinter voltou a rever a sua estratégia no crédito à habitação. O banco que tinha um "spread" de 1,15%, cortou a sua margem para 1%. Os clientes a terem acesso a esta taxa são aqueles que invistam pelo menos 30% do valor da avaliação do imóvel e para financiamentos iguais ou superiores a 150 mil euros. Já os clientes que façam um investimento inferior a 30% e créditos acima de 150 mil euros a margem será de 1,10%.  

O banco anunciou esta alteração esta sexta-feira e explicou que as novas taxas entram em vigor na próxima segunda-feira, 17 de Setembro. De acordo com a informação avançada em comunicado, o Bankinter passará a ter "spreads" entre 1% e 1,45%, consoante o montante financiado e a percentagem da avaliação que é financiada.

O Bankinter passa, assim, a ser o primeiro banco a ter uma taxa de juro de 1% no crédito à habitação. "O novo 'spread' mínimo está disponível para clientes que invistam pelo menos 30% do valor da avaliação do imóvel e para financiamentos iguais ou superiores a 150 mil euros", adianta o comunicado. Neste caso, e com um crédito de 150 mil euros, a o valor da avaliação do imóvel teria de ser de cerca de 214.500 euros.

Já créditos acima deste valor e em que o investimento do cliente seja inferior a 30%, terão um "spread" de 1,10% , também mais baixo do que os 1,15% actuais. "Nos restantes escalões, os 'spreads' mantêm-se inalterados: 1,25% para montantes entre 100  mil euros e 150 mil euros e 1,45% para montantes abaixo de 100 mil euros", ecplica a instituição financeira.

"Esta descida do 'spread' mínimo para 1% mostra a dinâmica do Bankinter no negócio do crédito à habitação, voltando a lançar um 'spread' altamente competitivo, enquanto mantém uma avaliação de risco rigorosa e a vontade de continuar a apoiar as famílias na realização dos seus projectos", explica Vítor Pereira, director de desenvolvimento de negócio, produtos, CRM e marketing do Bankinter Portugal.

(Notícia actualizada às 11:30 com mais informação)



pub