Crédito ComparaJá.pt quer portugueses a comparar custos dos créditos

ComparaJá.pt quer portugueses a comparar custos dos créditos

Os fundadores da plataforma online ComparaJá.pt, que agrega informações sobre os custos dos cartões de crédito e de créditos pessoais em Portugal, querem fomentar decisões mais ponderadas nas finanças pessoais.
ComparaJá.pt quer portugueses a comparar custos dos créditos
Bloomberg
Vera Ramalhete 21 de outubro de 2015 às 12:37

As plataformas que comparam preços de viagens ou hotéis são já comuns em Portugal. A ComparaJá.pt quer estender essa lógica aos produtos financeiros. A plataforma online, apresentada oficialmente esta quarta-feira, 21 de Outubro, agrega informações sobre os custos de cartões de crédito e créditos pessoais para facilitar a escolha da opção mais económica.
  

O objectivo é fomentar "uma decisão mais ponderada sobre produtos financeiros", permitindo "fazer uma compra mais inteligente" explicou Sérgio Pereira, esta terça-feira. Segundo o co-fundador e director geral da empresa, é possível poupar até 1.000 euros num crédito pessoal e 250 euros por ano num cartão de crédito. Ao simplificar o acesso a esta informação, a ComparaJá.pt quer contribuir para "desenvolver a literacia financeira em Portugal", acrescentou Tomás Garnel, responsável pela área de Marketing.  

A utilização da plataforma é gratuita, "rápida e simples" e a gestão é "independente e imparcial", explicou Sérgio Pereira. Depois de realizar a pesquisa, o utilizador é direccionado para os sites das instituições financeiras que têm acordos com a plataforma, para concretizar a compra. Nesse caso, as instituições pagam uma comissão à ComparaJá.pt pelas vendas realizadas.

O projecto lançado há quatro meses tem uma média de 40 mil visitas por mês, revelou Sérgio Pereira. O objectivo da ComparaJá.pt, que faz parte do grupo internacional CompareGlobalGroup, é, numa fase posterior, permitir também a comparação de outros produtos financeiros, como crédito à habitação, depósitos e seguros, revelou o co-fundador e director geral da empresa.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub