Crédito Compra de carro com crédito está em máximos de cinco anos

Compra de carro com crédito está em máximos de cinco anos

A venda de automóveis tem vindo a recuperar. E a concessão de crédito para esse fim também. Os novos empréstimos para comprar carro estão em máximos de, pelo menos, 2012.
Compra de carro com crédito está em máximos de cinco anos
Bruno Simão
Sara Antunes 17 de julho de 2017 às 15:59

Em Maio, a banca concedeu 251,5 milhões de euros para a compra de carro, de acordo com os dados divulgados pelo Banco de Portugal. Estes dados só permitem recuar até 2012 e, neste período, não há nenhum mês que o saldo total de financiamento de automóvel seja superior.

 

A contribuir para esta evolução esteve essencialmente o crédito para veículos usados, num sistema de reserva de propriedade e outros. Neste caso, em Maio foram emprestados 150,6 milhões de euros, o que corresponde a um aumento 37,4% face ao mesmo período do ano passado. E este montante é também o mais elevado desde que há dados.

 

Mas os outros segmentos de crédito automóvel também cresceram. O financiamento de veículos novos comprados com um regime de reserva de propriedade e outros aumentou 21,8%, em termos homólogos. Já os montantes concedidos através de contratos de locação financeira cresceram 23,5%, no caso dos veículos novos, e 46,8%, no caso dos carros usados.

 
Estes dados corroboram os indicadores sobre venda de automóveis, que têm vindo a aumentar. O mercado automóvel em Portugal cresceu 7,5% no mês de Junho, registando 29.127 novas matrículas, num período em que o crescimento das vendas totais abrandou e em que as marcas de luxo mostram mais sinais de expansão. Estes dados têm um mês de diferença dos números do Banco de Portugal, mas continuam a revelar crescimento no sector. 

Crédito pessoal aumenta 3,7%

O quinto mês do ano fica marcado pelo aumento generalizado dos créditos aos consumidores.

 

O Banco de Portugal revela que as famílias foram financiadas em 232 milhões de euros, mais 3,7% do que há um ano.

 

Já nos cartões de crédito e nas contas a descoberto observou-se um aumento de 7,1% nos empréstimos para um total de 89 milhões de euros.

 




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 17.07.2017

E organização empresarial portuguesa que os faça de raiz, nada.

comentários mais recentes
ricardo 18.07.2017

Aos comentadores: vão trabalhar. vossas excelências têm alguma coisa a ver com os gastos dos outros? As pessoas gastam o seu dinheiro como bem entenderem. Vão trabalhar malandros

Anónimo 17.07.2017

Banqueiros de retalho e geringonceiros anarco-sindicalistas do compadrio resgate-dependente, não tenho rendimentos ou património para sustentar as vossas vidas vividas acima das vossas possibilidades. Desinchem s'il vous plaît. "We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

Anónimo 17.07.2017

E governo faz como o macaco africano: não ouve, não vê e não fala. Afinal, é bom para todos. Pelo menos até fazer Pum!

genio 17.07.2017

A 4ª bancarrota vem a caminho, mas deste vez, vai ser a doer...

ver mais comentários
pub