Crédito Depois do Montepio, clientes da CGD também são alvo de "phishing"

Depois do Montepio, clientes da CGD também são alvo de "phishing"

Um novo e-mail, desta vez em nome da CGD, está a pedir aos clientes do banco público que actualizem os seus dados. O banco lembra que nunca pede qualquer actualização por correio electrónico.
Depois do Montepio, clientes da CGD também são alvo de "phishing"
Cátia Barbosa/Negócios
Paulo Moutinho 11 de março de 2016 às 09:17

Depois do Montepio, é agora a vez de a Caixa Geral de Depósitos ser alvo de um ataque de "phishing". Clientes, e não clientes do banco público, estão a receber nas suas caixas de correio vários e-mails que solicitam a actualização dos dados das contas. São e-mails fraudulentos.

Num e-mail que copia o "desgin" do site da CGD, é referido que a CGD "está disponibilizando uma actualização obrigatória, essa corrige erros no cadastro do cartão matriz, garantindo assim, maior segurança". Está em português do Brasil, contendo vários erros de concordância e de gramática.

O e-mail fraudulento que está a ser enviado aos clientes da CGD
O e-mail fraudulento que está a ser enviado aos clientes da CGD



Esse mesmo e-mail pede aos clientes que sigam para um outro site de forma a fazerem essa actualização dos dados, algo que a CGD nunca pede aos seus clientes. "Nós não pedimos para actualizar dados por e-mail", refere fonte oficial da CGD. Isso mesmo está explicado na página de acesso ao "homebanking" da instituição.

Trata-se de um novo ataque de "phishing" em que se procura obter dados dos clientes das instituições financeiras. Uma fraude que já tinha sido tentada junto de clientes do Montepio. Esta quinta-feira, 10 de Março, vários clientes, e não clientes do banco liderado por Félix Morgado, receberam e-mails no mesmo sentido. O banco alertou para o facto de ser uma fraude.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub