Bolsa 2009: Os mínimos nas bolsas e o início do super "bull market" nos EUA

2009: Os mínimos nas bolsas e o início do super "bull market" nos EUA

Depois de terem batido no fundo, a 9 de Março, as bolsas norte-americanas iniciam um ciclo de subida. Os primeiros sinais positivos nas contas do Citigroup e a intervenção de Barack Obama deram combustível ao super bull market nos EUA, que dura até hoje.
2009: Os mínimos nas bolsas e o início do super "bull market" nos EUA
Reuters
Patrícia Abreu 30 de maio de 2017 às 23:20
As réplicas do forte abalo provocado pelo colapso do Lehman Brothers, em Setembro do ano anterior, ainda faziam tremer os mercados financeiros globais. Apesar dos investidores continuarem afastados das bolsas, após o valor das acções ter caído a pique no ano anterior, 2009 trazia sinais de inversão. E uma nova vida para as bolsas.

O ano de 2009 começou tal como acabou 2008: em queda. Entre Janeiro e o início de Março, o índice norte-americano S&P 500 caiu 25%. No dia 9 de Março o índice toca em mínimos, ao encerrar em 676,53 pontos. Um quadro negro que começaria a ganhar cor um dia depois. A revelação por parte do Citigroup de que tinha registado um lucro nos dois primeiros meses do ano, associado a mensagens positivas por parte de outros bancos norte-americanos e ao plano económico de 787 mil milhões de dólares anunciado pelo presidente Barack Obama algumas semanas antes serviam de combustível a uma recuperação num mercado sedento por ganhos, após ter perdido metade do seu valor no ano anterior.

O S&P 500 encerrava o dia 10 de Março de 2009 com uma valorização de 6,4%. E o terceiro mês do ano continuaria com boas notícias, que davam argumentos aos investidores para alimentar os ganhos nas bolsas. Enquanto na Europa, o BCE resistia a adoptar medidas mais agressivas para combater a crise, as quais chegariam muito mais tarde, nos EUA, o banco central do país, então liderado por Ben Bernanke, anunciava um programa que previa injectar um bilião de dólares na economia, enquanto o Tesouro se propunha a investir um valor semelhante na compra de activos problemáticos nos balanços dos bancos.

O índice Dow Jones terminaria o ano de 2009 com uma valorização de 23,5%, iniciando um dos maiores ciclos de ganhos da história da bolsa americana. As bolsas norte-americanas assinalaram em Março oito anos de "bull market", continuando a negociar próximas de máximos históricos. E, se uns há que dizem que já foram longe de mais, há ainda muitos especialistas que vêem potencial nos EUA.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub