Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

A bolsa nacional vai estar a digerir os resultados da EDP, Altri, Cofina, Sonae Sierra e F. Ramada, no mesmo dia em que também a REN e a Sonae Capital apresentam as suas contas dos primeiros nove meses do ano. Nos EUA, o destaque vai para os dados do emprego, num contexto de nervosismo com a aproximação das eleições presidenciais.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Carla Pedro 04 de Novembro de 2016 às 07:30
Bolsa nacional a digerir contas

A praça lisboeta vai estar a digerir os mais recentes resultados dos primeiros nove meses do ano, que foram apresentados pela EDP, Altri, Cofina, Sonae Sierra e F. Ramada. No universo das cotadas do PSI-20, destaque para o facto de os lucros da EDP terem recuado 16%, ao passo que os da Cofina diminuíram 6,7% e os da Altri afundaram 32,7%. Os investidores vão, também, estar atentos à divulgação dos números da REN e da Sonae Capital esta sexta-feira, sendo que ambas os apresentam após o fecho da bolsa.



Venda de 10% da Corticeira Amorim em análise

A Corticeira Amorim anunciou, ainda na quinta-feira, ter concluído com sucesso a operação de venda de 10% do seu capital, encaixando assim 107,07 milhões de euros. A venda foi concluída ao preço de 9,70 euros por acção, um desconto de 8,6% face ao valor de fecho de 8,645 euros na sessão de 3 de Novembro. Aquando do anúncio desta operação, 83% do capital da empresa estava imputado a Amorim, sendo que apenas 15% estava disperso em bolsa em participações minoritárias. É este, o chamado "free float" - a dispersão de capital - que os oferentes visam aumentar com a operação. Irão as acções reagir hoje, depois de quatro sessões em baixa? 



Moody’s pode pronunciar-se sobre rating da União Europeia

O calendário de eventuais revisões das notações soberanas, sobretudo na Europa, está bastante preenchido esta sexta-feira, 4 de Novembro. No entanto, os relatórios sobre os ratings e perspectivas para as dívidas soberanas podem não ser publicados, uma vez que este agendamento é apenas indicativo. A Moody’s poderá anunciar decisões relativamente aos ratings da UE, Bélgica, Suíça e Hungria, ao passo que a Fitch poderá pronunciar-se em relação à Holanda e Letónia e a Standard & Poor’s pode ter algo a dizer sobre a Turquia.



Nos EUA há dados do emprego e discursos na Fed

Esta sexta-feira é fértil em dados económicos e discursos no âmbito da Fed. Além da balança comercial em Setembro, serão anunciados os dados relativos ao mercado de trabalho em Outubro, estimando-se um aumento de 170.000 empregos e uma descida da taxa de desemprego de 5% para 4,9%, além de um aumento dos salários, segundo os economistas inquiridos pela Bloomberg.


Por outro lado, dois dias depois de ser conhecida a decisão da Fed sobre as taxas de juro no país, que foram mantidas, dois importantes membros da instituição discursam em eventos distintos nos EUA. Dennis Lockhart e Stanley Fischer falam sobre a política monetária, podendo mostrar alguma divergência em relação à decisão do comité de governadores da entidade. Também o vice-presidente do Banco Central Europeu, Vítor Constâncio, falará na Conferência Internacional da Banca, organizada pela Reserva Federal de Chicago.


Os investidores vão estar atentos, numa altura em que Wall Street soma já oito sessões consecutivas de perdas – a mais longa série desde 2008, mantendo-se uma grande incerteza em torno das eleições presidenciais nos EUA. Uma nova sondagem nos EUA coloca a candidata Hillary Clinton três pontos à frente de Donald Trump, uma contagem que mantém um elevado grau de indefinição em relação ao resultado das eleições de 8 de Novembro.   



Schäuble apresenta estimativas para receitas fiscais

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble apresenta, numa conferência em Berlim, a estimativa para as receitas fiscais do país em 2017, o que poderá influenciar os planos de gastos do governo no próximo ano.

Já no conjunto da Zona Euro é divulgado o índice da Markit para os serviços, em Outubro, dado que será também acompanhado de perto pelos investidores, que procuram perceber se a economia da região está a dar sinais de maior robustez e continua a crescer.

 



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

COFINA: INVERSÃO DA QUEDA: Receitas de jornais e TV no 1ºSem./16 caíam -1% (para 39,9 M€), 3 meses após no conjunto de 9 meses/2016 já sobem 0,9% (para 61,1 M€). Dívida liquida continua a baixar,para 56,5 M€,menos 2,1 M€ que final de Junho/16. E, tem lucros de 3,6 M€ nos 9 meses. COMPRAR FORTEMENTE.

pub