Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Os mercados vão continuar a digerir a eleição de Donald Trump para a Casa Branca. Por cá, no PSI-20, o BCP e a Sonae irão estar a reagir aos resultados apresentados na quarta-feira, ao mesmo tempo que os investidores estarão atentos ao início do roadshow da EDP Renováveis nos Estados Unidos, junto de investidores norte-americanos.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Carla Pedro 10 de Novembro de 2016 às 07:30
Trump é o novo presidente dos EUA: o rescaldo da notícia nos mercados

As bolsas, o dólar e o petróleo começaram por afundar assim que se perfilou no horizonte a possibilidade de o candidato republicano ser o novo presidente dos EUA. Quando a possibilidade se tornou realidade, o movimento de descida prosseguiu, ao passo que o ouro beneficiava com o clima de incerteza e viu reforçado o seu estatuto de valor-refúgio. Mas após o discurso apaziguador de Donald Trump, os mercados começaram a revelar algum alívio, tendo a maioria entrado mesmo em terreno positivo. Esta quinta-feira Trump reúne-se com Obama e é altura de os mercados digerirem melhor os resultados da corrida à Casa Branca, isto num dia em que há leilão de dívida norte-americana.



Bolsa nacional a reagir aos prejuízos do BCP e da Sonae

A praça lisboeta vai acompanhar com atenção o BCP, que irá estar a reagir aos resultados dos seus primeiros nove meses do ano, anunciados na quarta-feira. O banco liderado por Nuno Amado reportou prejuízos de 251,1 milhões de euros entre Janeiro e Setembro. Na Assembleia Geral que ontem se realizou, a votação sobre o aumento do limite de votos para 30% reclamado pela Fosun foi adiada, à espera que estejam reunidas todas as condições para entrada dos chineses.


Os títulos da Sonae deverão estar também reagir à sua apresentação de contas, depois de a retalhista ter anunciado uma queda de 3,1% dos lucros nos primeiros nove meses, para 138 milhões de euros. Esta quinta-feira, será a vez de a Sonae Indústria divulgar os seus números.


Ontem a bolsa nacional fechou em baixa, ao contrário da maioria das suas congéneres do Velho Continente, tendo sido sobretudo pressionada pelo grupo EDP. Esta quinta-feira, a EDP Renováveis aterra nos EUA, onde inicia um "roadshow" para se reunir com investidores norte-americanos.



Petróleo à espera do relatório mensal da AIE

A Agência Internacional da Energia (AIE) divulga o seu relatório mensal sobre o petróleo e a Agência de Informação em Energia – dependente do Departamento norte-americano da Energia – publica os dados relativos aos inventários semanais de gás nos EUA. Ainda nas matérias-primas, a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) publica o índice mensal para os preços dos alimentos. 



Mais uma mão cheia de resultados 

Esta quinta-feira há mais empresas a confessarem-se ao mercado. Serão reportadas as contas da Estuche Telekom, Altice, Siemens, Enel, Coca-Cola Europe, Continental AG, AstraZeneca, Zurich Insurance e Walt Disney, entre muitas outras. Nos EUA começa a diminuir o ritmo diário de apresentação dos resultados trimestrais das empresas norte-americanas. Os analistas estimam que os lucros das cotadas do S&P 500 tenham crescido 2,5% em média no trimestre compreendido entre Julho e Setembro, quando no início do mês apontavam para uma quebra média de 1,6%. 



Europa atenta a discursos na Alemanha

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, e o presidente do banco central da Alemanha (Bundesbank), Jens Weidmann, discursam em Berlim, numa gala promovida pela banca, onde falarão sobre economia global, Zona Euro e política monetária. Os mercados vão estar atentos para saberem o que estes dois responsáveis têm a dizer. Por cá, o destaque vai para os dados da inflação em Portugal no mês de Outubro, que são revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

 



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub