Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Portugal faz esta quarta-feira a última emissão de dívida de curto prazo do ano e na bolsa o comportamento da Pharol vai estar a ser atentamente acompanhado, depois de a empresa liderada por Palha da Silva já ter perdido mais de 25% nas últimas seis sessões. No resto do mundo, a AIE divulga as perspectivas anuais para a energia e há mais responsáveis de bancos centrais a falar sobre política monetária.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Portugal emite dívida a seis e 12 meses

O Tesouro português vai ao mercado pela última vez este ano com uma operação de curto prazo. O IGCP, o instituto que gere a dívida pública portuguesa, realiza uma dupla emissão de dívida a seis e 12 meses, tendo como objectivo colocar um montante indicativo entre 1.250 milhões e 1.500 milhões de euros. Esta operação surge depois de vários dias marcados pelo forte agravamento das taxas de juro no mercado secundário, na sequência do resultado eleitoral nos EUA. 



Investidores atentos à Pharol

As acções da Pharol já desceram 25,4% nas últimas seis sessões, o ciclo de quedas mais pronunciado desde o início do ano. As fortes desvalorizações da empresa liderada por Palha da Silva surgem numa altura em que a Oi tem também registado fortes quedas, devido à elevada incerteza sobre o desenrolar da situação financeira da operadora de telecomunicações brasileira, que se encontra sob protecção contra credores. Na segunda-feira, 14 de Novembro, a Globo noticiou que o fundo americano Elliott Management, do milionário Paul Singer, está a ponderar injectar 10 mil milhões de reais (2,7 mil milhões de euros) e ficar com 60% da empresa. Esta será a proposta elaborada pelo fundo em conjunto com a Boston Consulting e com a francesa Lazard. Na semana passada, a Oi anunciou os resultados do terceiro trimestre, tendo aumentado os prejuízos em 7%.


AIE divulga "outlook" anual para a energia
Dias depois de ter adiantado que considera difícil a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) implementar o corte de produção acordado em Setembro, a Agência Internacional de Energia apresenta o seu "outlook" anual para a energia. Neste documento a instituição deverá actualizar as suas perspectivas para a oferta de crude no mercado e para a evolução da procura por matérias-primas, além de incluir a sua primeira análise completa às implicações do Acordo de Paris para o Clima. Além disso, a Agência de Informação em Energia – dependente do Departamento norte-americano da Energia – divulga as suas estimativas para os inventários de crude na semana passada nos EUA. 


Responsáveis de bancos centrais prosseguem discursos

Esta quarta-feira, Sabine Lautenschlaeger, membro do conselho executivo do BCE, fala sobre política monetária, em Frankfurt, no âmbito da Euro Finance Week. Do outro lado do Atlântico também há também mais discursos. Patrick Harper, presidente da Fed de Filadélfia, falará sobre os objectivos e funções da Reserva Federal. Já Neel Kashkari, presidente da Fed de Minneapolis, será orador num evento promovido pelo Economic Club of New York. Por último, James Bullard, que preside à Fed de Saint Louis, falará na conferência europeia do UBS sob o tema "Política Monetária depois da Flexibilização Quantitativa: Helicóptero de dinheiro ou voltar a subir as taxas de juro?".



Economia em foco nos EUA e na Europa

Esta quarta-feira será dia de divulgação dos dados do emprego no Reino Unido relativos a Setembro. Já nos Estados Unidos serão apresentados os números referentes à produção industrial, em Outubro (anterior 01,%; estimativa 0,2%), bem como os dados do índice de preços no produtor, em Outubro, e o sentimento dos construtores em Novembro. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub