Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta terça-feira, o BCP, Montepio e Mota-Engil poderão variar ao sabor de mais “notícias frescas” e os investidores vão estar atentos à praça lisboeta. Lá fora, a curiosidade abunda relativamente às bolsas norte-americanas: irão manter-se em máximos ou a saída dos EUA do acordo comercial Parceria TransPacífico, anunciada por Donald Trump na segunda-feira ao final do dia, irá inverter a tendência?
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Carla Pedro 22 de Novembro de 2016 às 07:30
Bolsa nacional atenta ao Montepio, Mota e BCP

Depois do anúncio, no domingo, 20 de Novembro, de que o BCP já aprovou a entrada da Fosun no seu capital – passando assim o grupo chinês [que em Portugal detém a Fidelidade e a Luz Saúde] a ser o principal accionista, com 16,7% - as acções do banco liderado por Nuno Amado chegaram a disparar 6% na segunda-feira, mas acabaram por fechar em queda.

A entrada da Fosun – concretizada através de um aumento de capital – será feita mediante o pagamento de 1,1089 euros por cada acção do BCP, o que corresponde a menos 26% face ao preço máximo que os chineses tinham assumido vir a pagar (1,5 euros por acção) quando fizeram o anúncio no passado dia 29 de Julho. Ou seja, a Fosun conseguiu poupar 61 milhões de euros e a Haitong considerou o preço "decepcionante", apesar de achar que os termos do aumento de capital são mais favoráveis.


Os investidores estarão também de olho nos resultados dos primeiros nove meses do ano da Mota-Engil. Os analistas têm destacado o crescimento da carteira de encomendas da construtora na América Latina, com os números a superarem já as estimativas para o acumulado do ano. Ainda a concentrar as atenções estará a Assembleia Geral do Montepio – que fechou os primeiros nove meses com perdas de 67,5 milhões de euros. 



Mercado petrolífero de olho nos inventários dos EUA

O Instituto Americano do Petróleo (API, que é uma entidade privada) divulga as suas estimativas para os inventários de crude na semana passada nos Estados Unidos – que serão depois comparadas com os dados oficiais, no dia seguinte, apresentados pela Administração de Informação em Energia (sob a tutela do Departamento norte-americano da Energia). Esta segunda-feira, o comité técnico da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reuniu-se em Viena para discutir a implementação do corte de produção do cartel acordado a 28 de Setembro na Argélia e o mercado reagiu com optimismo à possibilidade de se chegar a um entendimento. As cotações do crude em Nova Iorque e Londres escalaram mais de 4%, para os valores mais altos das últimas três semanas.



Platina: quais os fundamentais da procura e da oferta?

O Conselho Mundial de Investimento em Platina divulga o seu relatório trimestral dedicado a este metal precioso, onde apresenta dados sobre os fundamentais da procura e da oferta. Neste relatório as estimativas para 2016 serão actualizadas, sendo também apresentado o "outlook" para 2017. Ainda nos metais preciosos, o ouro – que tem estado a corrigir dos ganhos depois de ter disparado quando Donald Trump saiu vencedor, a 8 de Novembro, das eleições presidenciais nos EUA, ao ver reforçado o seu estatuto de valor-refúgio devido à incerteza que pairou nos mercados – conseguiu recuperar após três sessões de queda, a beneficiar da desvalorização da nota verde (quando a moeda norte-americana perde valor, os activos denominados em dólares, como é o caso do ouro, ficam mais atractivos para investimento).



Economia em foco na Europa e EUA

Esta terça-feira há mais dados económicos, com Instituto Nacional de Estatística (INE) a divulgar as taxas de juro implícitas no crédito à habitação, em Outubro e com o Eurostat a anunciar os valores da confiança dos consumidores, em Novembro, na Zona Euro. Nos EUA, conheceremos os números sobre as vendas de casas usadas, em Outubro, e os investidores estarão atentos a mais este dado para tentarem perceber se a economia está suficientemente sólida para a Fed se decidir por uma subida dos juros na reunião do próximo mês. Isto numa altura em que as praças norte-americanas estão a disparar, tendo os principais quatro índices bolsistas - Dow Jones, S&P 500, Nasdaq Composite e Russell 2000 – atingido recordes na segunda-feira [a primeira vez desde 1999 que acontece aos quatro em simultâneo], sustentados sobretudo pelo sector da energia.



Mais resultados na recta final de reporte de contas

Hoje mais empresas divulgam as suas contas trimestrais, numa altura em que a época de apresentação de resultados está a chegar ao fim. Entre as empresas que irão confessar-se ao mercado temos a Hewlett-Packard (HP), Medtronic, Dollar Tree, Campbell Soup, Urban Outfitter e Analog Devices. Por cá, conheceremos os números da Mota-Engil após o fecho da sessão bolsista. 

 



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Sebastião Cabinda Alberto Cabinda Há 2 semanas

Quais são

pub