Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Draghi no Parlamento Europeu, reuniões para tentar fechar um acordo no petróleo, as bolsas que regressam de feriado em Wall Street e os resultados de mais uma emissão de OTRV estão entre os temas que marcam esta segunda-feira.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Paulo Zacarias Gomes 28 de Novembro de 2016 às 07:30
OCDE apresenta Economic Outlook
A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) apresenta esta manhã em Paris, às 10:00 em Portugal Continental, o seu diagnóstico económico global. Em Setembro, no outlook intercalar, a entidade apontava para um abrandamento da economia mundial devido ao crescimento lento do comércio e a distorções financeiras no sistema financeiro, prevendo que a economia crescesse a um ritmo mais lento em 2016 e com uma recuperação modesta no próximo ano. Os dados já deverão incorporar as alterações políticas entretanto ocorridas, com a eleição de Donald Trump – um candidato com ideias proteccionistas – para a Casa Branca.


Tesouro anuncia resultado de emissão de OTRV

A agência que gere a dívida soberana anuncia o resultado da emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV) com reembolso em Novembro de 2021. A emissão, inicialmente de 500 milhões de euros, foi aumentada a 18 de Novembro para os 1.500 milhões, tendo o prazo de subscrição terminado na sexta-feira. Se o montante disponível for insuficiente para garantir a atribuição aos subscritores - em virtude da previsível elevada procura dos clientes do retalho -, obrigará a que haja rateio. O valor obtido ajudou o Estado a reembolsar dois mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional.



Draghi presta contas aos eurodeputados
O presidente do Banco Central Europeu regressa ao Parlamento Europeu. A pouco mais de uma semana da última reunião do ano da autoridade monetária da zona euro, Mario Draghi será ouvido pelos eurodeputados não só sobre as decisões de política monetária como também pelos desenvolvimentos económicos e financeiros posteriores ao Brexit, além de analisar a estabilidade financeira. Com início marcado para as 14:00, hora de Portugal Continental, será o primeiro encontro com os deputados depois da eleição de Donald Trump para presidente dos EUA e a menos de uma semana do referendo constitucional em Itália, acontecimentos que têm influenciado os mercados nos últimos dias. 


Reunião em semana decisiva para a OPEP
A ausência da Arábia Saudita, o maior produtor de petróleo da OPEP, da reunião prevista para hoje entre o cartel e os produtores de fora desta comunidade deverá marcar a sessão nos mercados energéticos. Riade quer primeiro chegar a um entendimento dentro da organização (onde Iraque e Irão continuam a resistir a comprometer-se com cortes na produção) antes de passar às negociações com os outros produtores e de tentar fechar um acordo na próxima quarta-feira que limitar a produção global de ouro negro. Na última sexta-feira, em reacção à ausência da Arábia Saudita, o preço do petróleo fechou a cair quase 4%.   


Bolsas nos EUA: e depois dos recordes?
Os mercados accionistas do outro lado do Atlântico regressam às negociações esta segunda-feira depois de dois dias de fracas transacções. Na quinta-feira as bolsas norte-americanas fecharam para o feriado do Dia de Acção de Graças e um dia depois reabriram mas a meio-gás, com uma sessão reduzida a metade das horas de negociação mas a renovar recordes históricos. Hoje, na "Ciber-segunda-feira" – dia em que os consumidores dão o pontapé de saída para as compras electrónicas a propósito do Natal - os olhos vão estar postos nas empresas de consumo e nas tecnológicas.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub