Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Um dia depois do novo máximo no dólar e das bolsas, bem como da queda do petróleo, há dados importantes para acompanhar, que deverão ditar o rumo dos mercados esta quarta-feira.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Nuno Carregueiro 04 de Janeiro de 2017 às 07:30
Fed dá mais pistas sobre evolução dos juros

A Reserva Federal divulga esta quarta-feira, pelas 19:00 (hora de Lisboa), as minutas da reunião que decorreu a 13 e 14 de Dezembro. Foi nessa altura que o banco central elevou a taxa de juro de referência pela única vez no ano passado. Com as minutas, a Fed poderá dar mais pistas sobre o rumo da política monetária ao longo deste ano, sendo que as expectativas apontam para dois ou três aumentos dos juros.



Inflação sobe na Zona Euro

O Eurostat publica às 10:00 (hora de Lisboa) a estimativa preliminar para a inflação na Zona Euro em Dezembro, com as expectativas apontarem para um aumento da taxa homóloga de 0,6% em Novembro para 1% no último mês do ano passado. O efeito da aceleração da inflação para valores mais próximos da meta do BCE já teve um forte efeito nos mercados esta terça-feira, uma vez que a Alemanha anunciou que a sua inflação avançou mais do que o esperado (mais do que duplicou para 1,7% em Dezembro). Contudo, caso a inflação na Zona Euro suba mais do que o previsto, poderá ser uma nova sessão de pressão sobre as obrigações soberanas. Esta terça-feira a yield da dívida portuguesa a 10 anos disparou 20 pontos base para 3,9% e o spread face à Alemanha atingiu um máximo desde Fevereiro.



Economia da Zona Euro dá mais sinais de recuperação

Ainda antes do Eurostat publicar os dados da inflação, será conhecida (às 9:00, hora de Lisboa) a evolução do sector dos serviços na Zona Euro, sendo que os economistas apontam para uma estabilização do indicador do PMI em 53,1. Com as bolsas europeias em alta à boleia de dados económicos positivos, este dado pode ter impacto nas acções, mas também no mercado cambial e nas obrigações. O euro fixou na terça-feira o valor mais baixo desde Janeiro de 2003, cada vez mais próximo da paridade. O Stoxx 600 avançou perto de 1% e atingiu máximos de Dezembro de 2015.


Inventários mexem no petróleo

Também no petróleo a sessão de terça-feira foi de máximos. O WTI em Nova Iorque e o Brent em Londres fixaram novos máximos desde o verão passado, devido às indicações de corte de produção por parte da OPEP. Mas a matéria-prima corrigiu depois (fechou a cair mais de 1%) devido à alta do dólar face ao euro e outras divisas mundiais. O American Petroleum Institute divulga o relatório semanal com as reservas de crude nos EUA, um dado que deverá ditar a evolução das cotações da matéria-prima.

 


CaixaBI actualiza preços alvo de duas cotadas

Já depois do fecho da sessão de terça-feira, o CaixaBI subiu a avaliação da Corticeira Amorim e da REN, uma melhoria que poderá mexer nas cotações das duas cotadas portuguesas. O banco de investimento da CGD elevou de 8,3 euros para 10 euros o preço-alvo da Corticeira, num aumento de 20,48%. No caso da REN, o preço-alvo passou de 2,95 para 3 euros considerando que, entre outros factores, a cotada "beneficia" de um enquadramento regulatório "estável".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub