Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

A reacção dos mercados à possibilidade de Theresa May estar disposta a um Brexit "duro" pode prolongar-se hoje. É também o dia em que o FMI apresenta as suas previsões mais actualizadas para a economia mundial. E, nos EUA, as bolsas estarão encerradas devido a feriado.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Paulo Zacarias Gomes 16 de janeiro de 2017 às 07:30
A reacção dos mercados no Reino Unido a um possível Brexit "duro"

A primeira-ministra Theresa May deverá esta terça-feira apresentar ao país os detalhes da estratégia do Governo para negociar a saída do Reino Unido da União Europeia, mas este domingo vários meios de comunicação social britânicos anteciparam que a governante defenderá um Brexit "duro", sem acesso ao mercado único, à união aduaneira (em áreas de controlo da imigração) e ficando fora da jurisdição do Tribunal Europeu de Justiça. Apesar de Downing Street não se ter querido pronunciar – e de o ministro das Finanças, Phillip Hammond, ter prometido represálias se os britânicos forem obrigados a deixar o mercado único - as notícias deste domingo podem pressionar ainda mais a libra – que ao final da noite de ontem já caía para novos mínimos de Outubro - bem como a bolsa britânica.



FMI actualiza previsões para a economia

O Fundo Monetário Internacional apresenta às 14:00, hora de Portugal continental, a actualização ao seu World Economic Outlook. Em Outubro, quando fez a última leitura, via os EUA a crescerem 2,2% este ano e a economia da Zona Euro a progredir 1,5%, com Portugal a subir 1,1%. Já tinha havido referendo do Brexit mas Donald Trump era apenas candidato e não o presidente dos EUA que tomará posse na próxima sexta-feira e que prometeu baixar impostos e aumentar o investimento público. Trump também traz uma sombra proteccionista, a que se junta a possibilidade de tensões com outra grande economia – a China – e a incógnita das eleições na Europa este ano. Tudo dados para digerir no relatório de hoje.


Membros do BCE e do Banco de Inglaterra falam em semana de reunião em Frankfurt

A três dias de serem conhecidas as conclusões da reunião de Janeiro do Banco Central Europeu, pelo menos três responsáveis ligados à autoridade monetária do euro falam em público, podendo deixar pistas sobre o que Mario Draghi dirá no fim daquele encontro. Yves Mersch discursará em Helsínquia, enquanto Villeroy de Galhau e Peter Praet estarão num evento em Paris. Já Mark Carney, governador do Banco de Inglaterra, estará na London School of Economics para falar sobre assuntos de política que afectam esta autoridade monetária, isto numa altura em que se espera o início do processo de desvinculação do Reino Unido da União Europeia, decidido em referendo em 23 de Junho passado.


Comércio internacional e actividade turística em foco

Em Portugal e na União Europeia o dia vai ser marcado pela divulgação de indicadores estatísticos. O Eurostat mostra os dados do comércio internacional de bens em Novembro, depois de até Outubro os números apontarem para uma queda homóloga de 1% nas vendas da Zona Euro ao resto do mundo e de um recuo de 4% nas exportações da União Europeia. Por cá, são conhecidos os números de Novembro relativos à actividade turística, depois de, até Outubro, esta actividade ter coleccionado recordes no país – 48 milhões de dormidas e praticamente 11 mil milhões de euros em receitas.

 


Mercados encerrados nos EUA

O feriado do Dia de Martin Luther King, que se comemora hoje, prolongou o fim-de-semana para os mercados financeiros norte-americanos que não transaccionam na sessão de hoje. Na sexta-feira Wall Street encerrou em alta impulsionada pelos resultados do sector financeiro – que inauguraram oficiosamente a época de contas do último trimestre – e o tecnológico Nasdaq renovou um máximo histórico.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar