Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta quarta-feira, a banca vai continuar a estar no centro das atenções na praça lisboeta. E não só, já que as instituições financeiras Goldman Sachs e Citigroup divulgam os seus resultados do quarto trimestre. Na política monetária, destaque para os discursos de Yellen e de Nouy. E haverá também mais dados para medir o pulso às economias, sobretudo na Zona Euro e nos EUA.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Carla Pedro 18 de janeiro de 2017 às 07:30
Banca continua a centrar atenções na bolsa nacional

Na sessão de terça-feira, as acções do BPI subiram, naquele que foi o primeiro dia da oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelo CaixaBank. Mesmo assim, o banco fechou 0,1 cêntimos abaixo do preço da operação. As acções encerraram em 1,133 euros e o grupo catalão oferece 1,134 euros por cada título.

Já o BCP, no dia em que as acções começaram a negociar destacadas dos direitos do aumento de capital, fechou a disparar 15,67% para 16 cêntimos, depois de ter chegado a disparar 22,54%. Como irão os papéis da banca negociar esta quarta-feira na praça lisboeta? 



Política monetária em foco nos EUA e Zona Euro


A presidente da Reserva Federal norte-americana, Janet Yellen, participa num debate e fará uma avaliação da economia, no Commonwealth Club, em São Francisco. Também na esfera da política monetária dos EUA, o presidente da Fed de Minneapolis, Neel Kashari, falará – na Minneapolis Urban League – sobre oportunidades económicas e crescimento inclusivo.

Já na Zona Euro, a presidente do Conselho de Supervisão do Mecanismo Único de Supervisão do BCE,  Danièle Nouy, proferirá um discurso na conferência de 2017 da WHU Otto Beisheim School of Management.



Goldman, Citi e Netxflix apresentam resultados

Esta quarta-feira são várias as empresas que apresentam as suas contas do quarto trimestre de 2016. Em destaque estarão os bancos norte-americanos Goldman Sachs e Citigroup, que reportam os seus números antes da abertura das bolsas em Wall Street

A divulgar resultados estará também a tecnológica Netflix, cuja plataforma de streaming de vídeo está disponível em Portugal desde Outubro de 2015.


Síntese de conjuntura em destaque por cá

Esta quarta-feira há mais dados para se medir o pulso às economias. Por cá, o Instituto Nacional de Estatística apresenta a síntese económica de conjuntura, referente a Dezembro - uma publicação com indicações sobre as tendências do crescimento da procura, da produção, do rendimento e dos preços – e o Banco de Portugal divulga os dados relativos às exportações.

Na Zona Euro, teremos os valores da inflação em Dezembro (que a Alemanha também divulgará individualmente), bem como a produção no sector da construção (dados do Eurostat). No resto da Europa, destaque ainda para o desemprego no Reino Unido (Dezembro). Nos EUA serão apresentados os dados da inflação do último mês de 2016.

 


OPEP apresenta relatório mensal do mercado petrolífero

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) divulga os seus dados mensais sobre o mercado petrolífero, relativos a Dezembro. O mercado mantém-se expectante, depois de a 30 de Novembro a organização ter acordado um corte de produção de 1,2 milhões de barris por dia, a ser efectivado em Janeiro de 2017. Logo no fim-se-semana seguinte, 11 produtores de fora do cartel assumiram o mesmo objectivo – estando a redução destes prevista em 600.000 barris diários (com a Rússia a assumir metade dessa meta).

Por outro lado, o Instituto Americano do Petróleo (API, que é uma entidade privada) divulga as suas estimativas para os inventários de crude na semana passada nos Estados Unidos – que serão depois comparadas com os dados oficiais, no dia seguinte, apresentados pela Administração de Informação em Energia (sob a tutela do Departamento norte-americano da Energia).




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub