Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta sexta-feira há Ecofin e Theresa May reúne-se com Trump. Na bolsa nacional, os olhos dos investidores vão estar postos na banca: o BPI apresentou resultados superiores ao esperado e o BCP tem negociado em baixa à conta da queda nos direitos de subscrição do aumento de capital.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Carla Pedro 27 de janeiro de 2017 às 07:30
Banca em destaque no PSI-20

Os lucros do BPI aumentaram 32,5% em 2016, para 313,3 milhões de euros, superando as estimativas dos analistas. Trata-se do segundo valor mais elevado de sempre, só superado pelo registo de 2007.  Os resultados foram apresentados ontem, após o fecho da bolsa nacional, pelo que os títulos do banco liderado por Fernando Ulrich irão estar hoje a reagir.

A sobressair na praça lisboeta poderão estar, uma vez mais, os direitos e acções do BCP. Os direitos de subscrição do aumento de capital do banco liderado por Nuno Amado fecharam ontem em forte queda, pela terceira sessão, continuando a pressionar o desempenho das acções.



Theresa May reúne-se com Donald Trump

A primeira-ministra britânica encontra-se hoje com o novo presidente dos Estados Unidos, sendo o primeiro líder de um país estrangeiro a reunir-se com Trump desde que o republicano foi empossado (na passada sexta-feira, 20 de Janeiro). Os dois governantes irão falar sobre as relações comerciais entre o Reino Unido e os EUA, especialmente num contexto de Brexit. Além disso, debruçar-se-ão sobre o combate ao terrorismo, o conflito na Síria e a NATO, adiantou May numa entrevista à BBC.

Deste lado do Atlântico terá lugar a reunião dos ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin), que se segue ao Eurogrupo (ministros das Finanças da Zona Euro) de ontem em Bruxelas.



Massa monetária na Zona Euro e PIB dos EUA centram atenções

Esta quinta-feira teremos mais indicadores económicos para avaliar, especialmente na Europa, Estados Unidos e Japão. Da Zona Euro teremos a evolução da massa monetária em Dezembro. Já a Alemanha irá divulgar as vendas a retalho relativas a Dezembro.

Nos Estados Unidos, serão apresentados os dados do PIB no quarto trimestre (esperando-se uma desaceleração do ritmo de subida), bem como as encomendas de bens duradouros em Dezembro e o sentimento dos consumidores, medido pelo índice da Universidade do Michigan, referente a Janeiro. Já do Japão virão os dados relativos à inflação no mês de Dezembro. 


Agências de rating atentas à Europa

O calendário de eventuais revisões das notações soberanas está bastante preenchido esta sexta-feira, 27 de Dezembro, no que diz respeito à Europa. No entanto, recorde-se os relatórios sobre os ratings e perspectivas para as dívidas soberanas podem não ser publicados, uma vez que este agendamento é apenas indicativo.

A Moody’s poderá anunciar decisões relativamente aos ratings do Reino Unido e da Finlândia, ao passo que a Fitch poderá pronunciar-se em relação a Espanha e Croácia e a Standard & Poor’s pode ter algo a dizer sobre a Eslováquia. Já a canadiana DBRS poderá ter novidades sobre a Alemanha.

 


Plataformas de crude e gás em foco nos EUA

A Baker Hughes, fornecedora norte-americana de serviços a campos petrolíferos, divulga o relatório semanal sobre o número de plataformas de petróleo e gás nos Estados Unidos. Ainda no que diz respeito às matérias-primas, a Comissão norte-americana de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC) reporta as posições nos futuros e opções sobre o petróleo por parte dos operadores.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub