Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Mario Draghi estará no Parlamento Europeu a prestar declarações aos eurodeputados. O BCP deverá reflectir os pormenores do aumento de capital, conhecidos na sexta-feira. E os juros o relatório da Fitch.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Sara Antunes 06 de fevereiro de 2017 às 07:30
BCP após aumento de capital

Os dados sobre a operação de aumento de capital, conhecidos na sexta-feira, deverão ter impacto na negociação das acções. A procura superou em 20% a oferta e os institucionais reforçaram as suas posições e já têm um quarto do BCP. O peso do banco no PSI-20 mais do que duplica para 10%. 

Juros após Fitch

A Fitch decidiu não mexer no "rating" da dívida, nem na perspectiva, que está "estável". Mas deixou alguns alertas. Os riscos macroeconómicos ficaram mais moderados, mas o maior proteccionismo e a volatilidade que poderá ser provocada no mercado pelas eleições em vários países na Europa poderão provocar instabilidade.


Mario Draghi no Parlamento Europeu

O presidente do Banco Central Europeu (BCE) vai falar aos eurodeputados na comissão de Finanças. Mario Draghi deverá reafirmar o papel do banco central e afastar receios em relação à inflação, tal como fez na última reunião de governadores. 


CTT volta a ser alvo de corte

Na sexta-feira houve mais um banco de investimento a cortar a avaliação dos CTT. Desta vez foi o CaixaBI, que avalia a empresa liderada por Francisco Lacerda em 7,40 euros, menos 16% do que antes desta decisão. Em causa está a revisão em baixa por parte dos CTT das previsões de resultados de 2016. A segunda desde Agosto, o que tem levado a cortes por parte dos bancos de investimento e a novos mínimos em bolsa.  


Pharol à mercê da Oi

As acções da Pharol subiram mais de 15% na semana passada, a beneficiar de um acordo conseguido entre a Oi e a Samba, que pôs fim a um braço-de-ferro que se prolongava há dois anos. Com o acordo, a operadora brasileira fica com o caminho facilitado para vender os activos da Africatel, holding que herdou da PT. Durante o fim-de-semana foram avançadas notícias sobre negociações com investidores. A brasileira, cuja Pharol é a maior accionistas, negou ter recusado qualquer oferta pela empresa, nomeadamente a proposta do bilionário egípcio Naguib Sawiris. E admitiu ter debatido soluções alternativas para os obrigacionistas, ainda que não tenha sido tomada qualquer decisão.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub