Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta sexta-feira marca o último dia de negociação do BPI no PSI-20, passando o banco a estar cotado no índice geral. Ainda por cá, teremos os dados da inflação em Janeiro, divulgados pelo INE.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Carla Pedro 10 de fevereiro de 2017 às 07:30
BPI negoceia pela última vez no PSI-20

Na quarta-feira, após os resultados da OPA do CaixaBank sobre o BPI, a Lisbon Euronext decidiu que o BPI deixaria de negociar no PSI-20 a 10 de Fevereiro, ficando assim o índice com 17 cotadas até à próxima revisão, agendada para 20 de Março.

A comissão gestora do PSI-20 decidiu que o BPI iria deixar a carteira do índice, porque depois da OPA a liquidez daquela cotada em bolsa vai ser diminuta, já que o "free float" ficará reduzido a cerca de 7% (além de o CaixaBank ter reforçado para 84,5% no capital banco, a Allianz permanece com 8,43%)


As acções do banco ainda liderado por Fernando Ulrich voltaram ontem a cair, tendo fechado a afundar 12,38% para 92 cêntimos – isto depois de terem chegado a mergulhar 25,62%. Do lado positivo na quinta-feira esteve o facto de a agência de notação financeira Fitch ter elevado em dois níveis o rating do BPI, de ‘BB’ para ‘BBB-’, uma classificação que já está fora da categoria de "lixo".



INE divulga dados da inflação de Janeiro

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga o índice de preços no consumidor, em Janeiro, bem como o índice de volume de negócios, emprego, remunerações e horas trabalhadas na construção e obras públicas, em Dezembro. No resto da Europa, destaque para a produção industrial no Reino Unido e em Itália, em Dezembro.

Nos EUA, serão apresentados os dados do sentimento dos consumidores, medido pela Universidade do Michigan.


No âmbito empresarial, serão divulgados mais resultados, nomeadamente na Nippon Telegraph & Telephone, Renault e ArcelorMittal.



Trump recebe Abe e Mersch fala sobre Zona Euro

Donald Trump deverá continuar no centro das atenções esta semana. Depois de uma série de medidas polémicas, o novo líder da governação americana recebe o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, na Casa Branca. Um encontro que será seguido com atenção pelos investidores mundiais, num momento em que crescem os receios em torno do proteccionismo de Trump.

Por outro lado, num momento em que vários responsáveis começam a alertar para a necessidade de discutir a retirada de estímulos monetários, Yves Mersch discursa num evento em Hamburgo. Além da política monetária na região, o membro do BCE poderá ainda falar sobre as crescentes ameaças proteccionistas nos EUA, mas também na Europa.


Moody’s pode pronunciar-se sobre rating de França e Itália

Esta sexta-feira, a Moody’s poderá anunciar decisões relativamente aos ratings de Itália e França, entre outros, ao passo que a Fitch poderá pronunciar-se em relação à Suécia e Eslováquia e a Standard & Poor’s pode ter algo a dizer sobre Angola. Já a canadiana DBRS poderá ter novidades sobre os mecanismos europeus MEE e FEEF.

Sublinhe-se que os relatórios sobre os ratings e perspectivas para as dívidas soberanas podem não ser publicados, uma vez que este agendamento das agências é apenas indicativo.

 


AIE divulga relatório mensal sobre petróleo

A Agência Internacional da Energia (AIE) apresenta o seu relatório mensal sobre o mercado petrolífero. Por outro lado, a Baker Hughes, fornecedora norte-americana de serviços a campos petrolíferos, divulga o relatório semanal sobre o número de plataformas de petróleo e gás nos Estados Unidos.

Ainda no que diz respeito às matérias-primas, a Comissão norte-americana de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC) reporta as posições nos futuros e opções por parte dos operadores.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub