Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta terça-feira o INE divulga os dados do PIB no quarto trimestre e o Eurostat apresenta também os números da segunda estimativa para o PIB da Zona Euro nos últimos três meses de 2016. Na bolsa nacional, a Pharol vai continuar sob os holofotes dos investidores.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Pharol no centro das atenções na praça lisboeta

A Pharol esteve ontem entre as maiores quedas do PSI-20. As acções da empresa liderada por Luís Palha da Silva interromperam uma série de 12 sessões consecutivas sem perdas e caíram 11,93% para 0,384 euros, depois de terem chegado a perder 20% durante a manhã.


Após subidas sustentadas pela expectativa de um desfecho positivo da recuperação judicial da Oi no Brasil (da qual a Pharol é o accionista de referência) e de notícias de que o fundo Cerberus estaria a preparar uma proposta de recuperação alternativa, o baixo preço da acção tornou-a num alvo fácil para "especuladores que procuram um trading intra-diário," considera Henrique Romão Dias, gestor da corretora XTB, em nota a que o Negócios teve acesso. 



Como se comportou a economia portuguesa em 2016?

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga a estimativa rápida das Contas Nacionais Trimestrais, em que serão conhecidos os dados do PIB português no quarto trimestre. Na Zona Euro serão também conhecidos os dados da segunda estimativa para o PIB nos últimos três meses de 2016, indicando também o crescimento por país.  Também o Reino Unido apresentará os seus valores para a inflação em Janeiro.

No resto do mundo, destaque para os dados da inflação na China (Janeiro) e da produção industrial no Japão (Dezembro). 



Yellen explica decisões de política monetária

A presidente da Reserva Federal dos EUA faz o seu testemunho semestral no Senado para explicar a evolução das decisões de política monetária, que se prolonga até quarta-feira. Os mercados procuram pistas nas declarações de Janet Yellen após o comunicado da reunião de 1 de Fevereiro, em que os juros foram mantidos, ter dado poucas indicações sobre qual o ritmo que será adoptado na normalização das taxas de juro nos EUA. 

Ainda no âmbito da política monetária norte-americana, vários responsáveis irão discursar esta terça-feira. O presidente da Fed de Dallas, Robert Kaplan, falará num evento do Greater Houston Port Bureau; por seu lado, o presidente da Fed de Richmond, Jeffrey Lacker, discursará na Universidade de Delaware, no seu evento ‘Projecções Económicas para 2017’ em Newark. Já o presidente da Fed de Atlanta, Dennis Lockart, será orador na conferência "Crise, Recessão e Retoma" no Huntsville Rotary Club. 


Credit Suisse apresenta resultados

Esta terça-feira há mais empresas a reportarem as suas contas. Em destaque estará o banco suíço Credit Suisse. Recorde-se que, em Dezembro passado, o Credit Suisse chegou a acordo com o Departamento norte-americano de Justiça para pagar 5,3 mil milhões de dólares e encerrar assim um processo ligado aos créditos imobiliários de baixa qualidade ('subprime'), que provocaram a crise financeira de 2008.

Entre outras companhias que vão divulgar os seus números estão a Tata Motors, Devon Energy, EDF, Michelin, Rolls-Royce Holdings e Toshiba.

 


Inventários norte-americanos de crude em destaque

O Instituto Americano do Petróleo (API, que é uma entidade privada) divulga as suas estimativas para os inventários de crude na semana passada nos Estados Unidos.

Estes dados serão depois comparados, na quarta-feira, com os dados oficiais apresentados pela Administração de Informação em Energia (sob a tutela do Departamento norte-americano da Energia). 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar