Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta sexta-feira começa a reunião de dois dias do G20. Antes disso, a chanceler alemã, Angela Merkel, irá reunir-se com o presidente dos EUA, Donald Trump, e na agenda estão temas que vão da política comercial à relação com a Rússia, passando pela NATO e pelos refugiados.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Carla Pedro 17 de março de 2017 às 07:30
Merkel encontra-se com Trump e G20 analisa políticas dos EUA

Política comercial, relação com a Rússia, NATO e refugiados. Não faltarão temas de debate no primeiro encontro entre Angela Merkel e Donald Trump. Dois líderes com ideias diferentes, mas também com personalidades opostas, que estarão reunidos esta sexta-feira nos EUA.

Por outro lado, os ministros das finanças e os banqueiros centrais do G20 iniciam um encontro de dois dias, em Baden-Baden (Alemanha), para analisar os desafios das políticas defendidas pela administração Trump para o comércio internacional e para as taxas de câmbio globais. Em foco estará a intervenção do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, e a expectativa de que dê mais detalhes sobre as medidas que Trump quer adoptar.



Partido Conservador britânico debate Brexit na Conferência da Primavera…

O Partido Conservador do Reino Unido, da primeira-ministra Theresa May, inicia em Cardiff (País de Gales) a sua Conferência da Primavera, com a duração de dois dias. O tema que vai estar em foco é o das preparações de May para accionar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, com vista à saída dos britânicos da União Europeia.

Depois da aprovação no parlamento britânico, a Rainha Isabel II já concedeu formalmente ao governo de Theresa May a autorização para desencadear o processo de divórcio formal.



… e Partido Nacional escocês debate debruça-se sobre referendo à independência

O Partido Nacional escocês, da primeira-ministra Nicola Sturgeon, arranca em Aberdeen com uma conferência de dois dias, que irá debruçar-se sobre a realização de um segundo referendo sobre a independência face ao Reino Unido.

Sturgeon confirmou a 13 de Março que o seu Governo irá avançar com os preparativos jurídicos para realizar um novo referendo e que quer esse rumo votado no parlamento regional já na próxima semana. A intenção da chefe de governo passa por realizar a consulta pública em torno da opção de a Escócia se manter ou não como parte integrante do Reino Unido logo estejam concluídas as negociações de saída da União Europeia, para que os escoceses possam avaliar se ficarão melhor fora da UE mas dentro do Reino Unido ou fora deste mas na UE. 


Indicadores coincidentes e síntese de conjuntura em destaque

Esta sexta-feira há mais indicadores que permitirão medir o pulso às economias. Por cá, o Banco de Portugal divulga os indicadores coincidentes. Além disso, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga a Síntese Económica de Conjuntura, relativa a Fevereiro, e também os índices de preços na produção industrial, referentes ao mês passado. Na Zona Euro, o Eurostat apresenta os dados da balança comercial, relativos a Janeiro.

Nos EUA teremos os dados da produção industrial, relativos a Fevereiro, e Índice de sentimento económico da Universidade do Michigan, referente a Março.

 


S&P pode pronunciar-se sobre Portugal

Hoje, de acordo com o calendário de eventuais revisões das notações soberanas, pode haver novidades para Portugal. Com efeito, a Standard & Poor's tem a opção de se pronunciar sobre o rating de Portugal, Finlândia, Dinamarca e Chipre. Quanto a Portugal, espera-se que nada mude: nem o rating nem o outlook. Já a Fitch poderá anunciar decisões relativamente à notação soberana de Angola.

Recorde-se que esta agenda é indicativa, pelo que as agências de raing podem optar por não emitir opiniões sobre os ratings e perspectivas para as dívidas soberanas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub