Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta quinta-feira o INE divulga as taxas implícitas no crédito à habitação e no Conselho Europeu de dois dias debatem-se os pormenores do Brexit. Do outro lado do Atlântico, a Fed divulga o resultado dos testes de stress às maiores instituições financeiras a operar nos EUA.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Negócios 22 de junho de 2017 às 07:30
Cimpor sai de bolsa e CMVM vai fixar o preço

A Cimpor aprovou ontem, 21 de Junho, a retirada de bolsa das suas acções. A proposta foi aprovada pelo accionista maioritário, InterCement, mas houve minoritários a votarem contra. Os minoritários que votaram contra terão direito a vender as suas acções à InterCement, por um valor que ainda será determinado.

A CMVM tem de aprovar o preço a que as acções da Cimpor vão ser adquiridas no âmbito da saída da empresa de bolsa. O supervisor tem de avaliar se é necessário, ou não, nomear um auditor independente para fixar o valor dos títulos.



Conselho Europeu discute Brexit

Os líderes europeus encontram-se em Bruxelas para um Conselho Europeu de dois dias, onde serão discutidas as mudanças na instituição, na sequência da activação do Artigo 50º. por parte do Reino Unido que abre caminho ao divórcio entre os britânicos e a UE. Mais de 20 países, entre os quais Portugal, disputam uma ou ambas as agências que sairão de Londres após o Brexit.

Ontem, no Reino Unido, cumpriu-se a tradição com a leitura do discurso da rainha que consiste no programa do governo de Theresa May. A grande prioridade passa pela preparação da saída britânica da União Europeia e pelas medidas securitárias. Contudo, May terá deixado cair a intenção de limitar a 100 mil o tecto para a imigração.



Petróleo com pior primeiro semestre dos últimos 20 anos

Os preços do crude continuam a perder terreno. A penalizar a matéria-prima estão sobretudo os receios relativos ao excesso de oferta no mercado e nem o corte de produção por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) tem ajudado a dissipar as preocupações de forma duradoura. Resultado: o "ouro negro" segue em mínimos de sete meses e há 20 anos que não tinha um desempenho tão mau num primeiro semestre. Tanto em Londres como em Nova Iorque, os crudes de referência caem mais de 20% desde Agosto, o que significa que o crude está a entrar em "bear market" (mercado urso).


Ontem foi anunciado que as reservas norte-americanas de petróleo diminuíram em 2,5 milhões de barris na semana passada, para 509,1 milhões, acima das estimativas de 1,2 milhões de barris, mas estes dados não ajudaram a travar a queda dos preços, já que os inventários continuam em níveis excessivamente elevados para esta época do ano.


INE divulga taxas implícitas no crédito à habitação

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga os dados sobre as taxas de juro implícitas no crédito à habitação, em Maio. Na Zona Euro, destaque para a confiança dos consumidores em Junho e em França estará em foco a confiança dos empresários, também relativa a Junho.

Nos Estados Unidos, serão apresentados os números sobre os novos pedidos de subsídio de desemprego na semana passada (anterior: 237 mil; estimativa: 240 mil), bem como os indicadores avançados respeitantes a Maio.

 


Fed divulga resultados dos testes de stress

A Reserva Federal norte-americana apresenta, às 21:30 de Lisboa (16:30 em Washington), os resultados da primeira parte dos seus testes de stress anuais à banca, realizados no âmbito da Lei Dodd-Frank promulgada após a crise financeira de 2008. No ano passado, a Fed divulgou a 29 de Junho os resultados dos testes de stress realizados a 33 grandes instituições financeiras e houve dois chumbos: as unidades norte-americanas do alemão Deutsche Bank e do espanhol Santander. E um terceiro, o Morgan Stanley, passou à justa.


Nesta análise à robustez financeira das maiores instituições financeiras a operarem nos EUA (o requisito é que tenham mais de 50 mil milhões de dólares em activos) a Fed avalia avalia se estas dispõem de amortecedores de capital suficientes para sobreviverem a uma crise semelhante à de 2008.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
lll 22.06.2017

Antonio Costa está num cai não cai
eu acho que vou carregar no botão e vender o meu querido Bcp
se não não consigo dormir nem gozo a minha vida porque uma guerra nuclear se advinha e não irei a tempo de viver a minha vida tranquilo,como antes da entrada no Bcp
acho que este casamento com o Bcp de largos anos está a acabar
fui enganado mais uma vez pelo nuno amado, que nos disse que para o ano de 2018 tinhamos dividendos
sinto-me roubado, enganado, espoliado

Valt 22.06.2017

Outro assalto aos bolsos dos Portugueses foi a PT agora a Cimpor, qual a que vem a seguir. Isto é o desgoverno daqueles que se governaram com luvas volumosas.