Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta quinta-feira o destaque vai para a oferta pública de aquisição da EDP sobre a sua subsidiária para as energias renováveis, que arranca hoje. Há também os relatos do BCE e vários eventos onde discursarão responsáveis de política monetária na Europa e nos EUA.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
OPA à EDP Renováveis arranca hoje

A CMVM deu luz verde à EDP e a OPA sobre a EDP Renováveis arranca esta quinta-feira. A contrapartida da operação é de 6,75 euros. "A oferta decorrerá entre as 8h30 do dia 6 de Julho de 2017 e as 15h00 do dia 3 de Agosto de 2017, podendo as respectivas ordens de venda ser recebidas até ao termo do deste prazo", anunciou ontem a CMVM em comunicado.

A EDP vai assim pagar 6,75 euros por cada acção da EDP Renováveis, preço ao qual já foram descontados os cinco cêntimos dos dividendos, da fatia de 22,5% que está nas mãos de accionistas minoritários. "Os detentores das ações que aceitem a oferta poderão revogar as suas declarações de aceitação até às 15h00 do dia 31 de julho de 2017", declarou o regulador de mercado. O apuramento e divulgação dos resultados da oferta vai ter lugar no dia 4 de Agosto.



Dia activo para responsáveis de política monetária

Vários membros do BCE discursam esta quinta-feira em diferentes eventos. Ewald Nowotny e Jens Weidmann (também presidente do Bundesbank - banco central alemão), membros do conselho de governadores do BCE, falam sobre o futuro do euro num evento no banco central austríaco.

Já François Villeroy de Galhau, membro do conselho de governadores do BCE e governador do Banco de França, apresentará os seus conselhos ao presidente francês, Emmanuel Macron.


Por seu lado, Peter Praet, membro do conselho executivo do Banco Central Europeu, participa na edição de 2017 da Conferência Internacional de Economistas da Banca Comercial (ICCBE, na sigla em inglês), que vai decorrer em Paris.


Será dia também de Jerome Powell, governador do Sistema de Reserva da Fed, falar sobre a reforma financeira do sector da habitação, num evento promovido pelo American Enterprise Institute. 



Mercado atento aos relatos do BCE

Além dos discursos esperados para hoje, por parte de vários membros, do Banco Central Europeu, teremos também a divulgação dos relatos do BCE sobre a reunião de política monetária do conselho de governadores, realizada no passado dia 8 de Junho. Os investidores estarão particularmente atentos a este documento, na tentativa de obter novas indicações sobre a política de estímulos na Zona Euro. 

Esta reunião teve lugar antes do 4.º Fórum do BCE em Sintra, que decorreu na semana passada em Sintra, onde Mario Draghi se mostrou na recuperação europeia e garantiu que os factores que estão a pesar sobre a inflação são "temporários". Ainda assim, sublinhou repetidamente que ainda são necessários estímulos monetários. Estas palavras tiveram um efeito negativo sobre as acções, mas positivo sobre o euro. No dia seguinte, as bolsas recuperaram, quando alguns responsáveis do Banco Central Europeu disseram que os mercados interpretaram mal os comentários do presidente da autoridade monetária europeia, que tinham sido vistos como pessimistas.

Ontem, recorde-se foi a vez de a Reserva Federal norte-americana divulgar as actas da sua reunião de 13 e 14 de Junho, onde foi decidida uma nova descida dos juros de referência. Ficou agora a saber-se também que os responsáveis pela política monetária da Fed estão divididos quanto à data de arranque do processo de redução do seu balanço.


Petróleo recupera da queda?

Depois de nove sessões consecutivas em alta, os preços do petróleo caíram na negociação de ontem, em Londres e em Nova Iorque, sobretudo devido ao anúncio de que a Rússia se opôs a qualquer novo corte de produção desta matéria-prima. Moscovo quer manter os cortes de produção de petróleo implementados no início deste ano, mas rejeita que sejam aumentados, defendendo que realizar mais cortes enviaria a mensagem errada ao mercado, segundo fontes do governo citadas pela Bloomberg.

Entretanto, hoje a Administração de Informação em Energia (sob a tutela do Departamento norte-americano da Energia) apresenta os dados relativos aos inventários de crude na semana passada nos Estados Unidos – a expectativa dos investidores é de que tenha havido uma redução das reservas, o que, a concretizar-se, poderá revitalizar as cotações do "ouro negro".

 


Novos dados medem o pulso às economias

Por cá, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga  o índice de custos de construção de habitação nova e e o índice de preços de manutenção e reparação regular da habitação, em Maio. No resto da Europa, destaque para as encomendas à indústria na Alemanha, relativas ao mês de Maio (anterior: -2,1%; rstimativas: 2,1%).

Nos EUA serão divulgados os dados relativos aos pedidos de subsídio de desemprego na semana terminada a 1 de Julho, bem como o relatório da ADP (sector privado) sobre o emprego no país durante o mês de Junho e a balança comercial de Maio.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar