Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta quinta-feira a Nos inagura a época de apresentação dos resultados trimestrais das cotadas na Bolsa de Lisboa. Por cá, destaque também para as estatísticas agrícolas de 2016, a divulgar pelo INE. Na Zona Euro, o foco estará no BCE e nas desclarações do seu presidente, Mario Draghi.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Nos dá pontapé de saída na "earnings season" da Bolsa de Lisboa…

A empresa de telecomunicações Nos é a primeira a apresentar resultados na bolsa de Lisboa. A operadora liderada por Miguel Almeida reporta esta quinta-feira os dados da sua actividade nos primeiros seis meses de 2017. Ainda esta semana, fora do PSI-20, a Glintt reporta as contas do exercício desde o início do ano.


O CaixaBI, unidade de investimento da Caixa Geral de Depósitos (CGD), antecipa que a Nos tenha registado lucros de 32,1 milhões de euros no segundo trimestre, o que representa uma subida de 21% face ao mesmo período do ano passado, de acordo com uma nota a que o Negócios teve acesso.


o Haitong estima que o resultado líquido da Nos aumente no semestre 41,8% para um total de 72,2 milhões de euros. As receitas terão crescido 3,3% para 767,7 milhões de euros e o EBITDA terá aumentado 4,8% para 300,4 milhões de euros. A Nos, recorde-se,passou a fazer parte da lista das acções preferidas do Haitong na Península Ibérica para o terceiro trimestre, que o banco apelida de "balas de prata". A Nos substituiu outra cotada portuguesa, a Corticeira Amorim. A Sonae e os CTT continuam a integrar a lista. 



… e nos EUA prossegue a divulgação de contas

A época de resultados do segundo trimestre prossegue a bom ritmo do outro lado do Atlântico. Hoje será a vez de empresas como a Microsoft e a Visa.

Na última semana já foram reportados os resultados de grandes nomes da banca norte-americana, como o Citigroup, JPMorgan Chase, Wells Fargo, Goldman Sachs, Bank of America, Morgan Stanley e American Express.



Corticeira Amorim compra 60% da Bourrassé por 29 milhões de euros

A Corticeira Amorim informou ontem, em comunicado à CMVM divulgado após o fecho da bolsa nacional, que chegou a acordo para a compra, através da participada Amorim & Irmãos, de 60% do grupo Établissements Christian Bourrassé por 29 milhões de euros. Os restantes 40% do capital da empresa gaulesa serão adquiridos até 2022.

O mercado estará atento à evolução do negócio e hoje as acções da corticeira deverão estar a reagir a este anúncio.


Estatísticas agrícolas de 2016 em foco

Hoje são conhecidos novos indicadores económicos que medem o pulso às economias. Por cá, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga as taxas de juro implícitas no crédito à habitação, em Junho, bem como as estatísticas agrícolas de 2016. Além disso, o Banco de Portugal divulga o boletim estatístico.


Quando à Zona Euro, o gabinete de estatística Eurostat apresenta os dados da dívida e défice no primeiro trimestre.


Nos Estados Unidos, teremos os números relativos aos novos pedidos de subsídio de desemprego na semana terminada a 15 de Julho.

 


Palavras de Draghi escrutinadas após decisão sobre juros

O discurso de Mario Draghi será novamente alvo do escrutínio dos investidores mundiais. Depois do presidente do BCE ter realçado, em Sintra, que as pressões sobre a inflação são "temporárias", os investidores procuram agora perceber se Draghi deixa indicações sobre uma eventual redução do seu programa de estímulos, na conferência de imprensa após a reunião de política monetária da instituição. No final de Agosto, o responsável estará presente em Jackson Hole.

Ainda no domínio da política monetária, o Banco do Japão conclui a sua reunião de política monetária e divulga o "outlook" para o trimestre. Os economistas estão a apontar para que o BoJ mantenha inalterada a sua política de juros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub