Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta quinta-feira os mercados continuarão sobretudo atentos ao desenrolar das relações entre os EUA e a Coreia do Norte, numa altura em que o escalar de tensões penalizou as bolsas. Por cá, o INE divulga os dados da inflação de Julho.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Tensões entre Washington e Pyongyang quebram mercados

A Coreia do Norte advertiu ontem que está a considerar levar a cabo um ataque com mísseis a Guam, um território norte-americano no Pacífico. Foi a resposta do regime de Pyongyang ao aviso feito pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, horas antes, de que a Coreia do Norte enfrentará um ataque militar devastador se não parar de ameaçar o país.  

Na terça-feira à noite, Trump disse que responderia à Coreia do Norte com "fúria e fogo", o suficiente para as bolsas norte-americanas fecharem em baixa, tendência que se manteve ontem. 



Inflação no centro das atenções

Esta quinta-feira, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga o índice de preços no consumidor, relativo a Julho. Publicará também os dados referentes ao índice de produção, emprego, remunerações e horas trabalhadas na construção e obras públicas em Junho.

Nos Estados Unidos serão divulgados os números dos pedidos de subsídio de desemprego na semana passada, bem como o índice de preços no produtor em Julho [anterior: 0,1%; estimativa: 0,1%].



Juros da dívida vão manter-se em mínimos de um ano?

As taxas das obrigações portuguesas desceram ontem pela terceira sessão consecutiva. A "yield" a 10 anos baixou dois pontos base para 2,842% e tocou, durante a sessão, no valor mais baixo desde Agosto do ano passado.

Apesar desta descida dos juros, o prémio de risco face à dívida alemã subiu para 241 pontos base. A "yield" germânica baixou 4,6 pontos base para 0,428%, reflectindo a procura dos investidores por activos defensivos.


Política monetária em destaque

Hoje a Reserva Federal de Nova Iorque promove uma reunião com a imprensa para falar sobre a desigualdade salarial regional e sobre as tendências para o emprego. O presidente da Fed de Nova Iorque, William Dudley, fará as observações iniciais.

Ainda em matéria de política monetária, vários bancos centrais anunciam hoje as suas decisões relativamente às taxas de juro, nomeadamente no México – que deverá manter os juros directores nos 7% –, Filipinas, Peru, Zâmbia e Sérvia.

 


OPEP divulga relatório

Hoje, a OPEP divulga o seu relatório sobre o mercado petrolífero, o que dará mais indicações ao mercado sobre o panorama deste sector. Por outro lado, a Administração de Informação em Energia (EIA – sob a tutela do Departamento norte-americano da Energia) apresentará o seu relatório com os dados semanais sobre os inventários de gás natural.

Ainda no que diz respeito às matérias-primas, o Departamento norte-americano da Agricultura (USDA) apresenta os dados relativos às exportações de produtos agrícolas na semana passada.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 10.08.2017

somos os maiores pessoal do Bcp
o Massa Bruta deve estar arrependido de estar no Montepio paradinho
grande vitória de 0,64%, apesar de ontem termos levado mais de 1,60%
esta vitória de hoje sabe a mel, que estou de férias e me deixa eufórico
amanhã até podemos perder 2%, ou 3% ou mesmo 4%, mas a vitória de hoje é mesmo saborosa
vou comumurar até as tantas aqui no distrito de Aveiro onde me encontro
Milénio Bcp até morrer, não temos medo da possivel guerra
em férias sinto-me o homem mais feliz do mundo neste momento