Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Rescaldo do referendo independentistas na Catalunha promete dominar as atenções, em dia de indicadores económicos na Europa e em que continua o congresso do partido Conservador no Reino Unido.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Negócios 02 de outubro de 2017 às 07:30
Domingo de referendo na Catalunha, segunda "business as usual"?

No domingo realizou-se o referendo independentista na Catalunha, contra o governo central e contra as determinações judiciais. Os confrontos com a polícia nacional aconteceram com os catalães a tentarem votar. Depois de um domingo "quente" em Barcelona, qual será a reacção dos mercados? Segundo os dados revelados pelo governo autonómico catalão (Generalitat), o "sim" obteve um pouco mais de 2 milhões de votos que representam 90,09% do total de mais de 2,2 milhões de boletins de voto validados. Rajoy anunciou que já nesta segunda-feira vai reunir-se com os líderes dos partidos representados no parlamento de Espanha a fim de "reflectir sobre o futuro".



Dívida pública após autárquicas

O domingo foi, em Portugal, de eleições autárquicas. O PS foi um dos vencedores. O PSD saiu derrotado. As reacções vão acontecer durante segunda-feira, havendo já quem peça a demissão de Passos Coelho. António Costa parece sair reforçado, em particular junto dos seus parceiros de coligação. Isto acontecerá no dia em que o Banco de Portugal divulga a nota de informação estatística sobre a dívida pública portuguesa, relativa ao mês de Agosto. Em Julho, a dívida pública na óptica de Maastricht tinha-se situado em 249.165 milhões de euros, mais 8.100 milhões que no final de 2016.



Oferta de troca de dívida do Novo Banco termina

Os investidores das 20 emissões de obrigações do Novo Banco que recusaram o carácter compulsivo da oferta de aquisição de dívida podem dar ordens de venda dos seus títulos até às 18:00 desta segunda-feira. Para as restantes 16 linhas, a operação é obrigatória, pelo que as ordens são dispensáveis. Se a operação tiver sucesso, a venda formal dos títulos acontece a 4 de Outubro, dia em que será feita a liquidação financeira, para que a venda do Novo Banco à Lone Star possa ficar concluída até 20 de Outubro.

Tal como o Negócios noticia, o Novo Banco está preparado para deixar cair a condição que faz depender o sucesso da oferta de compra de dívida da aquisição de 75% das obrigações. A poucas horas do fecho da operação, o objectivo que concentra os esforços da instituição é conseguir gerar uma folga de solidez de 500 milhões de euros, já depois de contabilizados os custos que terá de assumir com os depósitos que podem ser constituídos pelos obrigacionistas que venderem os seus títulos. A possibilidade de o Novo Banco (NB) deixar cair, pelo menos, a condição que obriga à compra de 75% da dívida foi colocada em cima da mesa depois do desfecho das assembleias-gerais de obrigacionistas da última sexta-feira.


Economia da Zona Euro 

Dia recheado de indicadores económicos sobre a Zona Euro. São divulgadas as estimativas rápidas dos índices de actividade industrial (PMI) do bloco económico e de países como Espanha, Itália, Alemanha e França.

É ainda conhecida a taxa de desemprego, na Zona Euro, relativa a Agosto. A expectativa dos analistas é que se mantenha inalterada em 9,1%. Em Portugal, o INE revelou sexta-feira que a taxa de desemprego está abaixo dos 9%.

 


Congresso do Partido Conservador britânico prossegue

O Brexit tem sido dos principais temas no debate do congresso do partido conservador britânico que prossegue esta segunda-feira. No domingo, Theresa May, pedindo desculpas por ter perdido as eleições de Junho, respondeu aos seus críticos dizendo ter a estratégia certa para liderar o Reino Unido e garantir um acordo para o Brexit. O congresso termina a 4 de Outubro.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar