Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta quinta-feira o presidente dos EUA, Donald Trump, deverá anunciar quem irá liderar a Fed nos próximos quatro anos, sendo que se espera que a escolha recaia em Jerome Powell. Em destaque estará também o facto de o Banco de Inglaterra poder subir juros e a apresentação de contas da EDP.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Trump deve anunciar Powell como novo presidente da Fed 

O presidente dos Estados Unidos deverá dizer hoje quem vai ser o próximo líder do banco central do país a partir de Fevereiro de 2018. Várias fontes oficiais avançaram à imprensa que o escolhido para substituir Janet Yellen será com Jerôme Powell.

Jerome Hayden "Jay" Powell está na Fed desde 25 de Maio de 2012, sendo conhecido por defender políticas monetárias mais suaves – pelo que o seu nome é bem visto em Wall Street. 



Banco de Inglaterra pode subir juros

Um dia depois da Fed, é a vez do Banco de Inglaterra. Nesta reunião, a autoridade monetária do Reino Unido deverá subir os juros em 25 pontos-base, o que elevaria o preço do dinheiro de 0,25% para 0,5%. A confirmar-se, esta será a primeira subida de juros em mais de 10 anos pela instituição liderada por Mark Carney.

O Banco de Inglaterra vai também publicar as suas estimativas em relação ao crescimento e inflação. Da Alemanha virão os números do desemprego relativos a Outubro.



EDP divulga resultados dos primeiros nove meses do ano

A eléctrica nacional, presidida por António Mexia, reporta hoje, após o fecho da bolsa, as suas contas até ao final do terceiro trimestre. Segundo as estimativas do banco de investimento Haitong, os lucros da EDP, ajustados do efeito da alienação da Naturgas e da Moray, desceram 10% para 122 milhões de euros. Contudo, sem este ajuste, registaram uma subida superior a 300% para mais de 600 milhões de euros. Já o CaixaBI antecipa que a EDP tenha fechado os primeiros nove meses deste ano com um resultado líquido de 583 milhões de euros, o que traduz uma queda de 5% face aos lucros de 615 milhões de euros obtidos no mesmo período do ano passado. A penalizar terá estado a "seca prolongada em 2017, que compara com uma hidraulicidade elevada e preços spot baixos no ano anterior".


Lá fora, prossegue também e bom ritmo a apresentação de resultados trimestrais, com destaque esta quinta-feira para a Apple, Altice, Santander, Alibaba, Credit Suisse, Bombardier e L’Oreal.


Acções dos CTT vão recuperar?

Os títulos dos CTT afundaram ontem 21,68% para 3,96 euros, tendo chegado ao longo do dia a afundar um máximo de 21,80% e a tocar num valor nunca antes visto (3,954 euros). A actual cotação dos CTT compara com os 5,52 euros a que foram vendidas as acções na oferta pública de venda (OPV) e com os 7,25 euros, preço a que o Estado alienou, através da Parpública, mais de 30% do capital da empresa em 2014.

O dia foi negro para as acções da empresa liderada por Francisco Lacerda, que reflectiram assim os resultados dos primeiros nove meses do ano, as perspectivas para o futuro e a reacção dos analistas, que não demorou e que ditou cortes significativos na avaliação das acções. Os CTT anunciaram na terça-feira, 31 de Outubro, já após o fecho do mercado, que os seus lucros nos primeiros nove meses do ano caíram 57% para 19,5 milhões de euros. Além disso, a empresa anunciou que a proposta de dividendo será cortada de 48 para 38 cêntimos

 


Gás e produtos agrícolas em destaque nos EUA

A Administração de Informação em Energia (EIA – sob a tutela do Departamento norte-americano da Energia) apresentará o seu relatório com os dados semanais sobre os inventários de gás natural.


Ainda no que diz respeito às matérias-primas, o Departamento norte-americano da Agricultura (USDA) apresenta os dados relativos às exportações de produtos agrícolas na semana passada.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar