Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta quarta-feira estaremos atentos às actas da última reunião da Fed, bem como ao 1.º inquérito do INE sobre a qualidade da gestão das empresas e ao provável aviso da Comissão Europeia a Centeno sobre a condução da política orçamental.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Fed publica actas da última reunião

A Reserva Federal dos Estados Unidos publica, esta quarta-feira, as actas da sua última reunião de política monetária. Neste encontro, decidiu manter inalterada a taxa de juro de referência. Contudo, os investidores pretendem avaliar com atenção as perspectivas dos membros do banco central quanto ao rumo da economia e do preço do dinheiro.

O consenso do mercado aponta para uma nova subida da taxa de juro na próxima reunião, que decorre em Dezembro. 



OE2018 e confiança dos consumidores em destaque

Esta quarta-feira, serão vários os indicadores a que também os mercados prestarão atenção. Por cá, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga o 1.º inquérito sobre a qualidade da gestão das empresas. Além disso, a Comissão Europeia deverá classificar hoje o Orçamento português como estando em risco de incumprimento das regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento no conjunto de 2017 e 2018, dando mais um argumento aos que criticam o governo por estar a aumentar a despesa em excesso à boleia da recuperação cíclica da economia. 

Na Zona Euro, em foco estarão os dados relativos à confiança dos consumidores, em Novembro [anterior: -1,0 pontos; estimativa: -0,8 pontos].


Nos Estados Unidos, teremos os números referentes às encomendas de bens duradouros, em Outubro [anterior: 2,0%; estimativa: 0,3%]; o ponto de situação sobre os pedidos de subsídio de desemprego, na semana passada [anterior: 249 mil]; e os dados sobre a confiança dos consumidores, medida pela Universidade de Michigan, relativa a Novembro [anterior: 97,8 pontos ; estimativa: 98,2 pontos].



Juros a 10 anos vão continuar a descer por cá?

A 15 de Setembro, a agência de notação financeira Standard & Poor’s surpreendeu o mercado e subiu o "rating" de Portugal, retirando a notação do país de "lixo". E o ano pode terminar com outra novidade deste género. O mercado espera que a Fitch, que deverá pronunciar-se sobre a dívida nacional no próximo mês, tome uma decisão idêntica à da homóloga e coloque a classificação de Portugal na categoria de investimento de qualidade.

Esta expectativa pode estar a levar à queda dos juros da dívida pública portuguesa no mercado secundário. Com efeito, os juros da dívida pública portuguesa a 10 anos estiveram ontem a negociar de novo em mínimos de mais de dois anos, apesar do impasse político que se vive na Alemanha, a maior economia do euro. 


Tesouro britânico apresenta estimativas

O chanceler do Tesouro [ministro das Finanças] do Reino Unido, Philip Hammond, defende o seu Orçamento perante o Parlamento, dando a conhecer as projecções revistas para o crescimento económico e o défice orçamental, bem como possíveis medidas relacionadas com impostos e gastos.

Hammond tem estado sob pressão, no sentido de aliviar a sua política de austeridade, mas a margem de manobra vê-se reduzida pelas estimativas de menor crescimento devido à saída dos britânicos da União Europeia (Brexit).

 


Inventários de crude centram olhares nos EUA

A Administração de Informação em Energia (sob a tutela do Departamento norte-americano da Energia) apresenta os dados relativos aos inventários de crude e de gás natural na semana passada nos Estados Unidos.

Ainda no mesmo sector, a Baker Hughes, fornecedora norte-americana de serviços a campos petrolíferos, divulga o relatório semanal sobre o número de plataformas de petróleo e gás nos Estados Unidos. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar