Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta terça-feira teremos os dados sobre a evolução do crédito em Portugal. Lá fora, o destaque vai para o início da reunião da Fed, de onde deverá sair amanhã a decisão de subir a taxa de juro directora.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Carla Pedro 12 de dezembro de 2017 às 07:30
Evolução do crédito em Portugal em foco

O Banco de Portugal divulga esta terça-feira os dados mais recentes relativos aos novos empréstimos para a compra de casa e outras finalidades, concedidos em Outubro.

Os bancos nacionais têm vindo a acelerar a concessão de crédito. O financiamento para a compra de casa nos primeiros nove meses de 2017 já excedeu todo o valor emprestado no ano passado.


Por outro lado, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga o índice de produção, emprego, remunerações e horas trabalhadas na construção e obras públicas em Outubro.



Inflação no Reino Unido centra olhares

Hoje serão conhecidos os dados da inflação em Novembro no Reino Unido. Isto no mesmo dia em que os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia se reúnem em Bruxelas para debater o estado actual do Brexit.

Na Alemanha, por seu lado, serão divulgadas as expectativas para a Alemanha, em Dezembro, por parte do instituto alemão ZEW. 



Juros renovam mínimos de 2015

As taxas de juro portuguesas desceram ontem na maior parte dos prazos. A taxa a 10 anos encerrou a negociar em 1,795%, tendo chegado a tocar nos 1,767%, um novo mínimo desde Abril de 2015, enquanto a "yield" a cinco anos continuou a negociar abaixo de 0,5%.

As taxas de juro de Portugal continuam, assim, a renovar novos mínimos, com os investidores a posicionarem-se para uma nova melhoria da avaliação da dívida portuguesa. Com efeito, tem estado a ser antecipado que a agência de notação financeira Fitch eleve o "rating" da República Portuguesa, retirando-o do patamar considerado de "lixo"[categoria de investimento especulativo].

A marcar o dia esteve também a notícia de que o Estado português vai devolver mais 1.000 milhões ao FMI ainda este ano.


Fed inicia reunião que deve ditar subida de juros

Os bons dados dados de Novembro sobre o mercado laboral nos EUA, que mostraram que a economia norte-americana está a ganhar força, intensificaram a convicção de que a Reserva Federal decidirá subir juros na reunião deste mês, que começa hoje e termina amanhã.


A acontecer, será o terceiro aumento das taxas directoras em 2017, tal como a presidente do banco central, Janet Yellen, tinha previsto no início do ano.

 


Petróleo em máximos de 2015

Os preços do "ouro negro" continuaram ontem a ganhar terreno, tendo subido perto de 2% em Londres, a reflectir o fecho – para reparações – de um oledoduto no Mar do Norte muito importante para o mercado, pois transporta cerca de 450.000 barris por dia de crude do campo britânico Forties, que é um crude de qualidade superior caracterizado pela baixa densidade e baixo teor de enxofre.

O contrato de Fevereiro do Brent do Mar do Norte, que é negociado no mercado londrino Londres e que serve de referência a Portugal, aproximou-se dos 65 dólares por barril, valores que não atingia desde 2015, enquanto o WTI, transaccionado em Nova Iorque, esteve a valer em torno de 58 dólares.


Esta foi a terceira sessão em alta, com os investidores a aproveitarem também para ir às compras depois de o crude ter atingido na semana passada um mínimo de sete semanas, penalizado pelo aumento das reservas norte-americanas de gasolina.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar