Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta sexta-feira os mercados estarão a reagir aos resultados das eleições regionais na Catalunha e à aprovação de um projecto de lei provisório nos EUA que permite que os serviços federais continuem a funcionar até 19 de Janeiro. Por cá, destaque para as contas nacionais trimestrais por sector institucional.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Negócios 22 de dezembro de 2017 às 07:30
Cidadãos vence na Catalunha mas independentistas mantêm maioria

Depois da queda do governo regional da Catalunha, no final de Outubro, decorreram ontem eleições regionais. A vitória foi do Cidadãos de Inés Arrimadas, mas a maioria no parlamento manteve-se do lado dos independentistas.

Pela primeira vez em 12 eleições autonómicas, a força vencedora não é catalanista. Facto tanto mais relevante tendo em conta que o Cidadãos é um partido de direita e a Catalunha é uma região maioritariamente de esquerda. Os investidores estarão hoje a reagir a estes resultados.



Congresso dos EUA aprova financiamento provisório dos serviços federais

O Congresso norte-americano, composto pela Câmara dos Representantes e pelo Senado, aprovou ontem um projecto de lei provisório para manter os serviços federais em funcionamento a partir de 23 de Dezembro, evitando assim um "shutdown" [paralisação] como o que se verificou em 2013. O projecto de lei segue agora para o presidente Donald Trump para ser promulgado.

A partir de sábado, as agências governamentais norte-americanas já não teriam financiamento disponível e esta solução temporária impede que se instale o caos nos serviços que o governo fornece ao país. A tranche agora aprovada corresponde então a um financiamento de curto prazo para que os serviços não paralisem enquanto se negoceia o financiamento federal do actual ano fiscal.



Novos indicadores económicos centram atenções

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga as contas nacionais trimestrais por sector institucional e os dados da actividade dos transportes no terceiro trimestre.

Nos EUA, serão reveladas as encomendas de bens duradouros, em Novembro, as vendas de casas novas, também relativas a Novembro, e a confiança dos consumidores, medida pela Universidade de Michigan, em Dezembro. 


Fitch avalia banca portuguesa

A melhoria de dois níveis que a Fitch aplicou ao "rating" da dívida portuguesa não foi suficiente para a agência melhorar a notação financeira dos dois maiores bancos portugueses, que permanecem assim no nível de "lixo".

De acordo com as notas publicadas ontem, a Fitch melhorou a perspectiva ("outlook") do rating do BCP de "estável" para "positivo, tendo tomado a mesma decisão para o "rating" da Caixa Geral de Depósitos. Mas os "ratings" daqueles que são os dois maiores bancos portugueses permanecem em BB-, o que corresponde ao terceiro nível de "lixo".


Entre os cinco bancos analisados pela Fitch, apenas os "ratings" do Santander Totta e Montepio Geral foram revistos em alta. O "rating" do BPI foi reafirmado em BBB-, um nível acima de "lixo".

 


Ouro recupera depois do PIB nos EUA

A cotação do metal amarelo ganhou ontem pelo segundo dia consecutivo, a beneficiar da revisão em baixa do crescimento da maior economia do mundo no terceiro trimestre, enquanto o índice nacional da Fed de Chicago, que mede a actividade económica nos EUA, ficou abaixo do estimado, factores que contribuem para uma maior atractividade de activos de refúgio como o ouro.

Ainda no domínio das matérias-primas, a Baker Hughes, fornecedora norte-americana de serviços a campos petrolíferos, divulga hoje relatório semanal sobre o número de plataformas de petróleo e gás nos Estados Unidos. Por outro lado, a Comissão norte-americana de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC) reporta as posições semanais nos futuros e opções por parte dos operadores.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar