Mercados 5 coisas que precisa de saber para começar o dia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Adivinha-se uma abertura de sessão pintada de vermelho carregado nas bolsas europeias, reagindo à queda mais acentuada em seis anos que ontem sofreu Wall Street. Os olhos estão também postos nas criptomoedas, que não param de perder valor.
5 coisas que precisa de saber para começar o dia
Nuno Carregueiro 06 de fevereiro de 2018 às 07:30
Bolsas europeias contagiadas pela forte queda em Wall Street

Já depois do fecho da sessão bolsista de segunda-feira na Europa, as praças norte-americanas viveram momentos de forte agitação, com o Dow Jones a afundar mais de 800 pontos em apenas 15 minutos. No fecho da sessão o índice caiu mais de 1000 pontos  (maior queda em pontos de sempre num só dia), o que corresponde a uma desvalorização superior a 4% (a maior em termos percentuais desde 2011). Os investidores estão assustados com as perspectivas e subida da inflação e aumentos mais agressivos nas taxas de juro da Fed, sendo que a questão está agora em saber se esta á uma saudável correcção das bolsas ou o início de um período mais prolongado. O que parece certo é que as bolsas asiáticas e europeias vão esta terça-feira sofrer com o que aconteceu ontem em Wall Street.

 

Bitcoin continua a afundar?

Nas criptomoedas as quedas têm sido ainda mais intensas do que nos mercados accionistas. Ontem a bitcoin afundou cerca de 20% para mínimos de 12 semanas, para negociar já abaixo dos 7.000 dólares. Além dos investidores estarem a fugir de activos mais arriscados, as criptomoedas estão a ser penalizadas pelos anúncios de vários bancos, que proibiram os seus clientes de transaccionar os títulos com recurso a crédito. Além disso, o presidente do BCE juntou-se ontem aos que alertam face ao elevado risco das moedas digitais.

 

Petrolíferas e sector automóvel reportam contas

A divulgação de resultados de grandes empresas mundiais vai continuar na agenda dos investidores. Depois da banca e das grandes tecnológicas terem apresentado as contas relativas ao último trimestre de 2017, nos próximos dias serão as cotadas do sector automóvel e petrolífero a apresentar os dados da actividade em 2017. A Toyota e a BP reportam resultados esta terça, seguindo-se a Tesla na quarta-feira.

 

Dados na Alemanha e Estados Unidos

Na frente dos indicadores macro-económicos, o dia será relativamente calmo. Os Estados Unidos divulgam a balança de bens e serviços de Dezembro, estimando-se que o défice tenha atingido máximos de nove anos. Na Alemanha será conhecida a evolução das encomendas às fábricas da maior economia europeia.

 

Pharol mantém braço de ferro com Oi

A Pharol reagiu ontem à decisão da Oi em cancelar a assembleia geral extraordinária de accionista da Oi que a empresa portuguesa tinha convocado para dia 7 de Fevereiro. A companhia liderada por Palha da Silva emitiu ontem um comunicado a informar que vai manter a data e as horas da reunião. Esta AG tem como objectivo vetar alguns dos pontos do plano aprovado pelos credores a 19 de Dezembro e avançar com acções judiciais. Esta guerra com a Oi está a contribuir para o mau momento da Pharol em bolsa, que desde o arranque do ano já perdeu um quarto do valor.