Investidor Privado A semana dia-a-dia: Investidores atentos às decisões dos bancos centrais

A semana dia-a-dia: Investidores atentos às decisões dos bancos centrais

Uma semana depois da reunião do BCE, reúnem a Fed e o Banco de Inglaterra. A semana será ainda marcada pela publicação de importantes dados económicos, como a taxa de desemprego, em ambos os lados do Atlântico.
A semana dia-a-dia: Investidores atentos às decisões dos bancos centrais
Bloomberg
Raquel Godinho 29 de outubro de 2017 às 19:00
Segunda-feira Galp Energia apresenta resultados
A época de apresentação de resultados na bolsa nacional arrancou há cerca de duas semanas. A Galp Energia apresenta, esta segunda-feira, as suas contas do terceiro trimestre. O Caixa BI estima que a empresa tenha fechado o terceiro trimestre com lucros de 178 milhões de euros, mais 54,6% do que no período homólogo. Esta semana, os investidores vão também conhecer os resultados da EDP, EDP Renováveis, Semapa, REN CTT, Cofina e Altri.

Terça-feira Economia da Zona Euro em destaque

Terça-feira será um dia forte no que diz respeito a indicadores económicos na Zona Euro. Num só dia serão divulgados a taxa de desemprego, o PIB e a taxa de inflação. Os economistas consultados pela Bloomberg antecipam que, em Setembro, a taxa de desemprego tenha caído para 9% face aos 9,1% anteriores. Por outro lado, as estimativas apontam para um crescimento de 0,5% da economia no terceiro trimestre. Já o índice de preços no consumidor, em Outubro, terá aumentado 1,5% face ao período homólogo, a mesma evolução que registou um mês antes.

Quarta-feira Fed deixa juros inalterados

A Reserva Federal estará em destaque esta semana. Por um lado, na quarta-feira, termina a reunião de dois dias de política monetária. As expectativas de mercado apontam para que o preço do dinheiro se mantenha inalterado. Contudo, na última reunião, Janet Yellen deu a indicação de que poderia haver uma nova subida dos juros este ano, o que deverá acontecer em Dezembro, de acordo com a maioria dos analistas. Além disso, até ao final da semana, o presidente norte-americano, Donald Trump, deverá anunciar o nome do novo presidente do banco central. O mandato de Janet Yellen termina no próximo mês de Fevereiro.

Quinta-feira Banco de Inglaterra pode subir juros
Um dia depois da Fed, é a vez do Banco de Inglaterra. Nesta reunião, a autoridade monetária do Reino Unido deverá subir os juros em 25 pontos-base, o que elevaria o preço do dinheiro de 0,25% para 0,5%. A confirmar-se, esta será a primeira subida de juros em mais de dez anos da instituição liderada por Mark Carney. O Banco de Inglaterra vai também publicar as suas estimativas em relação ao crescimento e inflação. 
 

Sexta-feira Desemprego inalterado nos EUA
Como habitual, na primeira semana do mês, será conhecida a taxa de desemprego, nos Estados Unidos. As estimativas dos economistas consultados pela agência Bloomberg apontam também para que, em Outubro, a taxa de desemprego se tenha mantido inalterada nos 4,2%. Esta semana, será também publicado o relatório da ADP relativo à criação de postos de trabalho, em Outubro. As previsões são de que este indicador tenha melhorado face ao mês anterior. 

Sexta-feira DBRS avalia "rating" nacional

Ao contrário do que estava inicialmente previsto, a DBRS adiou em duas semanas, para 3 de Novembro, uma possível acção de "rating" de Portugal. Depois de a S&P ter colocado a notação do país num nível de investimento, a DBRS pronuncia-se no final desta semana. A agência canadiana pode ser a próxima a melhorar a avaliação de Portugal, tendo em conta os bons resultados orçamentais dos últimos meses. A DBRS foi a única das agências consideradas pelo BCE a avaliar Portugal acima de "lixo" durante a crise. Actualmente, tem um "rating" de BBB (baixo).



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub