Investidor Privado A semana dia-a-dia: Os dados do emprego em Portugal e a inflação no euro

A semana dia-a-dia: Os dados do emprego em Portugal e a inflação no euro

Semana preenchida de dados sobre a inflação e o emprego que poderão deixar pistas importantes para as decisões do BCE e da Reserva Federal. A atenção estará ainda sobre as palavras de Draghi no Parlamento Europeu.
A semana dia-a-dia: Os dados do emprego em Portugal e a inflação no euro
Rui Barroso 28 de maio de 2017 às 19:00
Segunda-feira Mario Draghi no Parlamento Europeu e as perguntas a Theresa May e Jeremy Corbyn
O presidente do BCE, Mario Draghi, vai ao Parlamento Europeu para responder a questões dos eurodeputados sobre o rumo da política monetária e a análise ao mercado de obrigações da Zona Euro. Isto antes da reunião da política monetária agendada para 8 de Junho e em que os analistas antecipam uma alteração do discurso do BCE em relação aos estímulos monetários. 

Com a data das eleições legislativas a aproximar-se, a 8 de Junho, a primeira-ministra britânica, Theresa May, e o líder dos Trabalhistas, Jeremy Corbyn, participam em simultâneo numa entrevista televisiva em que serão confrontados com questões do público. As últimas sondagens apontam para uma liderança menos confortável de Theresa May, que tem cinco pontos de vantagem. Chegou a ter 20 pontos de liderança aquando da marcação de eleições antecipadas. 

Terça-feira A taxa de desemprego em Portugal

Após as descidas dos últimos meses que levaram a taxa de desemprego para 10%, o INE publica a estatística mensal de emprego e desemprego que indicará o valor da taxa em Abril. O INE divulgará ainda os dados de confiança dos investidores e de clima económico nos Inquéritos de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores. E também os Índices de Produção Industrial. No dia seguinte divulga as Contas Nacionais Trimestrais. 

Quarta-feira A inflação e o emprego na Zona Euro

A taxa de inflação saiu acima do estimado pelos analistas no passado mês de Abril, ao atingir 1,9%, dentro do mandato do BCE de perto, mas abaixo de 2%, sendo que a inflação "core", que exclui os preços da energia, atingiu 1,2%. Na semana que antecede a reunião do BCE, estes dados serão analisados com especial atenção pelo mercado. No entanto, o RBC Capital Markets estima uma descida desses valores em Maio. Será ainda divulgada a estimativa rápida da taxa de desemprego na Zona Euro, outro indicador essencial para retirar pistas sobre os próximos passos do BCE. Em Abril, foi de 9,5% e os economistas prevêem uma descia ligeira em Março. 

Quinta-feira A actividade industrial na Zona Euro, Reino Unido e na China

Dia para medir o pulso às economias da Zona Euro, do Reino Unido e da China, com a divulgação dos índices PMI para a indústria nestes blocos económicos. 

Sexta-feira A OPA à SDC e o emprego nos EUA
O prazo para os accionistas da SDC Investimentos aceitarem a oferta de 2,7 cêntimos por acção na Oferta Pública de Aquisição lançada pela Investéder, dos gestores da empresa António Castro Henriques e Gonçalo Andrade Santos termina. Apesar da oferta, a Investéder esteve também no mercado a comprar acções, tendo superado os 5% da SDC no terceiro dia da oferta. 

Os dados do emprego nos EUA, principalmente a parte dos salários, serão uma peça essencial para aferir se a Reserva Federal dos EUA irá, como esperado, subir novamente os juros em Junho. 

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 3 semanas

Ja foi noticiado tempos atraz que Angel Merkel quer o actual presidente do banco central alemao a substituir o fina flor draghi quando ele acabar o mandato.Quem estiver doente,muito doente nessa altura vai ter que sentir as dores da cura.Nao vai fazer como o draghi em manter as doencas num impasse.

pub
pub
pub
pub